sexta-feira, agosto 23, 2019

Bela surpresa, esta, a de entrar na Fnac Chiado e encontrar A Imortal da Graça em destaque. Obrigado à Sandra Oliveira pela escolha e pelas palavras.

Mete mais alto #591


King Gizzard & The Lizard Wizard
Infest the Rats' Nest
2019

quinta-feira, agosto 22, 2019


Chega hoje às salas de cinema VARIAÇÕES, do João Maia. Não só uma tremenda homenagem à persistência de António Variações, na maneira como o acompanha no ultrapassar dos diversos obstáculos, como à do próprio Maia, que tantos anos e complicações enfrentou até conseguir concretizar esta pérola. Neste biopic, persiste a sua visão, e o resultado é, todo ele, feito de uma intimidade respeitosa e inimitável. Eufórico e inspirador, carrega também uma tristeza profunda, uma alegria sofrida. Como a vida. Como o Fado, do qual Amália Rodrigues, adorada e idolatrada por António, é expoente máximo; não é surpresa a presença quase espectral que a figura tem no filme, sabendo da influência enorme que teve na vida e na carreira de António Variações.
VARIAÇÕES é especial, não só, mas também, porque escolhe mostrar um período específico da vida de António Ribeiro, nunca visto nas televisões nem nos palcos: aquele em que o artista batalha para conseguir atingir os objectivos a que cedo se propôs. Todo o filme gira à volta dessa vontade e dessa resistência, e cria uma ficção inspirada na realidade que mostra o artista quando tem de mostrá-lo mas concentrado-se, sempre, no homem por detrás da imagem que dele se tinha e tem publicamente. Sendo um personagem tão querido do público português - pelo menos, de umas certas gerações -, era certo e sabido que muitos pseudo-savants teriam um sentimento de propriedade muito grande pelo filme, não no sentido de o acarinharem mas de projectarem nele a imagem do que acham que um filme sobre António Variações deveria ser. A lógica (se é que assim se pode chamar) destes críticos de pacotilha sobrepõe-se à capacidade de ver o filme pelo que escolhe ser: uma escolha carregada de sinceridade e virtuosismo na maneira como não se deixa agarrar por fogos de artifício e purpurina e se concentra nas características mais humanas do personagem. Existe, por parte das vozes mais críticas, uma obsessão pelo retratar do cliché 'sexo e drogas' (como, aliás, já havia acontecido no biopic dos Queen) que só não me parece incompreensível porque é certo e sabido que o espírito voyeurístico fomentado nas redes sociais e na chamada reality TV já arrasou, nestas mentes, qualquer tipo de possibilidade de compreensão do que é um biopic. Tantos exemplos há de filmes ditos biográficos que escolhem um segmento e um segmento só da vida do retratado. A escolha de um ponto de vista, de um foco num determinado percurso - tratado com os devidos mecanismos ficcionais - onde as qualidades mais marcantes do retratado são visíveis, é marca de uma abordagem madura. VARIAÇÕES é um exemplo, e um tremendamente bem conseguido, dessa maturidade; é emocionante e generoso. Não compreender o espaço em que se move este biopic revela, de certa forma, uma incapacidade de perceber cinema.
Vénias ao Sérgio Praia pela representação daquele que, estou certo, há de ficar como um dos grandes papéis da sua carreira. O mesmo para o Filipe Duarte - que química tremenda a que tem com Sérgio. Os momentos mais comoventes acontecem exactamente quando os dois partilham o ecrã (ou a tela, como lhe quiserem chamar). Vénias a todo o elenco e toda a equipa, do produtor Fernando Vendrell a todos os músicos que trouxeram a sonoridade dos 80s ao filme (Olá, Vasco); eis a homenagem devida a António. Parabéns a todos, parabéns e obrigado.
VARIAÇÕES é uma celebração que deve ser celebrada.

quarta-feira, agosto 21, 2019























“- D’you see any smoke from the Amazon rainforest burning?
- No.
- There you go.”

Unfriend - Wake Up

“Bad men need nothing more to compass their ends, than that good men should look on and do nothing.”
- John Stuart Mill, 1867

Só íamos divulgar lá para Setembro ou Outubro, mas o punk não espera.

Gravação feita entre Singapura e Linda-a-Velha, no mítico Estúdio Crossover. Alexandre na guitarra e voz, eu no baixo, a Catarina na bateria.

Metam mais alto.
Sigam-nos aqui.

A Amazónia arde. Bolsonaro e apoiantes batem palminhas, sacodem água do capote. Media ditos tradicionais nem sequer noticiam este que é o maior crime ambiental (para dizer o mínimo) de sempre. A haver amanhã, a História vai lembrá-los como os responsáveis e cúmplices que são.

terça-feira, agosto 20, 2019

Esta semana o CASAL DA TRETA está, como de costume, às Quartas e Quintas no Teatro Villaret, mas depois segue para Sul, para passar o Fim-de-Semana no Algarve!
Podem vê-lo em Faro, no Teatro das Figuras nos dias 23 e 24.

domingo, agosto 18, 2019

Lançado há 60 anos e 1 dia.

segunda-feira, agosto 12, 2019

COMUNICADO

Na frente ocidental nada de novo.
O povo
Continua a resistir.
Sem ninguém que lhe valha,
Geme e trabalha
Até cair.

Miguel Torga, pseudónimo de Adolfo Correia da Rocha, nascido em S. Martinho de Anta-Sabrosa, Portugal, faria hoje 112 anos.

«She's thinking about history's celebrated victims, thinking of the holocaust, the blight of slavery, female suppression and the persecution of sexual minorities. She can recall her own Spare Rib days in the 1970s and how she'd briefly entertained the idea that a woman leader might make all the difference. This had obviously been back in the early seventies. Her point is that despite the very real continuing abuses born of anti-Semitism, born of racism and sexism and homophobia, there are MPs and leaders who are female, Jewish, black or gay. There are none who are poor. There never have been, and there never will be. Every decade since society's inception has been witness to a holocaust of paupers, so enormous and perpetual that it has become wallpaper, unnoticed, unreported. The mass graves at Dachau and at Auschwitz are, rightly, remembered and repeatedly deplored, but what about the one in Bunhill Fields that William Blake and his beloved Catherine were shovelled into? What about the one under the car park in Chalk Lane, across the road from Doddridge Church? What of the countless generations that have lived poor and have in one way or other died of that condition, uncommemorated and anonymous? Where are their fucking monuments and special ringed dates on the calendar? Where are their Spielberg films? Part of the problem is, no doubt, that poverty lacks a dramatic arc. From rags to rags to rags to rags to dust has never been an Oscar-winning formula.»

in Jerusalem, Alan Moore

À falta de solinho (hoje, por acaso, nem está mauzito de todo), Agosto faz-se, nos noticiários, de regabofe à la Mad Max, com as turbas a correrem às bombas para que não lhes falte gota. Mas a silly season não é só de wedon'tneedanotherhero: diz que o Pardal dos Jerrrycans está a trabalhar a todo o gás, já em campanha para as eleições parlamentares de Outubro. Pois que até deixou o Maserati na garagem e foi de trotinete para o piquete da greve. Que sainete. Isto o mal de uns é a rampa de lançamento de outros. Jerrycan meio cheio ou jerrycan meio vazio? Não nos atirem combustível para os olhos, até porque está escasso.


domingo, agosto 11, 2019

«I sit through all of the extinctions, all the species that have reached the natural end of their extension into the concealed direction.
Every other week, a human language dies. Beautiful, unique life forms with intricate skeletons of grammar, delicately hinged by syntax, they grow weaker and fold in their wings of adjectival gossamer. They made their last frail noises and then crumble into incoherence, into silence, no more to be heard.
A stilled tongue, every fortnight. A concluded song. Hark, the glad sound.»

in Jerusalem, Alan Moore

sexta-feira, agosto 09, 2019

‪Dedicado à malta que acha que greves, muito bem, sim senhores, desde que não interfiram com as nossas vidinhas.‬

‪no meu “e enquanto espero que me arranjem o esquentador penso em como será a vida depois do sol explodir” (2015)‬

14 de Setembro

terça-feira, agosto 06, 2019

segunda-feira, agosto 05, 2019

“Dead, White & Blue”
Brian J. Hoffman


sábado, agosto 03, 2019

quarta-feira, julho 31, 2019

«O marcador de páginas - que o tombo soltou da opressão das palavras - é uma fotografia, "Os Amantes". Há quem lhe chame “O beijo com 2800 anos”, dois esqueletos encontrados no Irão durante as escavações arqueológicas de Teppe Hasanlu; o amor pode ser assim, antigo, dando a ilusão de ser eterno. Dois esqueletos que se beijam há 2800 anos, antes de serem fotografia já eram só um momento, peça de museu.»

in A IMORTAL DA GRAÇA

“Recupero, em jeito de entrada - paradoxal -, a provocação de Howard Zinn: o problema não é a a desobediência, o problema é a obediência. Na qual ecoa a frase de Wilhelm Reich: «A verdadeira questão não é sabermos o motivo pelo qual as pessoas se revoltam, mas porque não se revoltam.» As razões para que já não aceitemos o actual estado do mundo, o seu rumo catastrófico, são quase demasiado numerosas. Enumerá-las todas seria uma litania de desastres.”

Desobedecer, de Frédéric Gros, traduzido por Miguel Martins.

Obrigado, Miguel.

A belíssima capa de David Mack para Vampirella/Red Sonja # 2.

7 x Mestre Milo Manara

segunda-feira, julho 29, 2019

Dave Stevens faria hoje 64 anos.

domingo, julho 28, 2019

Dick Sprang faria hoje 104 anos.

Utilizador das golas do Cabrita.

sábado, julho 27, 2019

HOJE
Patrulha da Noite
SEASON FINALE

sexta-feira, julho 26, 2019

As séries que estão nomeadas, junto com o nosso Air Lino. Luxo. Ganhe quem ganhar, o prémio fica bem entregue. Supímpico estar nomeado ao lado de malta tão talentosa. Destaque para o meu parceiro Mário Botequilha que, a par do Lino, junto comigo, tem também nomeado o seu Soldado Milhões.

quinta-feira, julho 25, 2019

Boas novas: EXCURSÕES AIR LINO, a série que o Mário Botequilha e eu escrevemos e que foi exibida o ano passado na RTP 1 está nomeada para Melhor Série na Gala Troféus de Televisão Impala 2019. Obrigado pela nomeação.
Segue daqui um abraço a toda a maravilhosa equipa e elenco, com redobrada força para o Rui Unas que, por ter encarnado o deliciosamente insuportável Lino, está também nomeado para Melhor Actor.
All aboard? Fato de treino!