quinta-feira, novembro 28, 2019

O Mago de Northampton a invocar as temáticas de George Orwell e Max Aub, e, com Joe Brown, a celebrar a musicalidade de David Bowie, numa pérola em que demonstra, mais uma vez, que é o Autor mais conhecedor da condição humana, das suas inconfessáveis fragilidades e impulsos, que expressa num apaixonado e, também por isso, completo domínio da língua inglesa e da linguagem. Comovente e transcendente na sua proximidade, sórdida, errada, natural e bela. Canção de protesto, lançada em 2012 como forma de apoio ao movimento Occupy Wall Street.

Uma coisa curiosa, e que cada vez acontece com mais frequência, é - o peeps não lê os posts antes de comentar. No máximo, vêem a imagem associada, tiram as suas ilações, e comentam alhos quando a questão era bogalhos. Se colocar uma foto de um bolo de banana a ser comido com sofreguidão, alguém dirá “também adoro bolo de banana”, mesmo que o texto escrito seja a dizer que detesto bolo de banana. O peeps também comentará coisas do tipo “lamento ver mais um post a louvar os bolos de banana, quando há bolos de maçã tão bons dos quais ninguém fala”, e isto apesar do post ser exactamente sobre o facto de haver bolos de maçã tão bons e só se falar dos bolos de banana.
O peeps não lê, só vê os bonecos, e os bonecos são gatilho mais do que suficiente para se porem a falar de tudo menos do assunto em causa; ou, pior ainda, para distorcerem completamente a mensagem que estão a comentar porque nem sequer se deram ao trabalho de ler. Como se pode esperar que decifrem se nem sequer a leram? Em casos mais extremos, acontece também ver aqueles que, num post sobre bolo de banana, vêm falar da problemática das baterias de lítio, ou coisa que o valha. E depois, ainda são capazes de se mostrar ofendidos pela nossa insistência em querer falar de bolos de banana, em vez de baterias de lítio. É um pagode. Cansativo, passível de acabar com essa prática de antanho que era a co-mu-ni-ca-ção, mas, ainda assim, um pagode.
Cada um de nós é a sua própria câmara de eco, e o resto é conversa. Dos outros.

(ps - os comentários feitos a este post são um pequeno exemplo do que falo aqui)

Ainda não tive tempo para me sentar a ver The Irishman, e já adoro o filme, pelas reacções que está a provocar. Há aqueles que dizem: “Vêem? O Scorsese tinha razão, isto é que é cinema, tem profundidade humana, nada daquelas tropelias vazias dos filmes da Marvel”; e depois há os que gritam: “Ignomínia, o que o Scorsese fez aqui pouco mais é que os filmes da Marvel, que coisa mais plástica, pela boca morre o peixe, vergonhoso, gngngaaaa”. E cá se anda, nesta ânsia de querer impor uma ideia de cinema que é a única possível por ser a nossa, uma vontade irreprimível de colocar ênfase numa opinião inquestionável porque é a nossa, dando mais força àquela expressão tão em voga que é “this is why people can’t have nice things”.

Joseph Christian Leyendecker


“Já escrevi não sei quantos posts sobre o tema no FB” é o novo “estudei na universidade da vida”.


quarta-feira, novembro 27, 2019

terça-feira, novembro 26, 2019

Em epígrafe ao capítulo X de “Utopia, uma visão da engenharia de sonhos”, de António Marques Bessa (1998).

Simply the best.
Tina Turner, 80 anos.

segunda-feira, novembro 25, 2019

quarta-feira, novembro 20, 2019

Bucket list: o meu nome no mesmo cartaz que o Hideo Kojima - check!
Obrigado ao Bernardo Candeias pelo convite.


terça-feira, novembro 19, 2019

‪Uma quadra de homenagem ao José Mário Branco, em virtude de uns que lhe celebram vida e obra como se coiso:‬

Cravo vermelho ao peito
‪A celebrarem a Luta‬
‪São todos uns rebeldes
‪Até os filhos da puta‬

“Sempre a merda do futuro, e eu que me quilhe, pois, pá, sempre a merda do futuro, a merda do futuro, e eu, hã? Que é que eu ando aqui a fazer? Digam lá, e eu? José Mário Branco, 37 anos, isto é que é uma porra, anda aqui um gajo cheio de boas intenções, a pregar aos peixinhos, a arriscar o pêlo, e depois? É só porrada e mal viver, é? O menino é mal criado, o menino é 'pequeno burguês', o menino pertence a uma classe sem futuro histórico... Eu sou parvo ou quê? Quero ser feliz, porra, quero ser feliz agora, que se foda o futuro, que se foda o progresso, mais vale só do que mal acompanhado, vá, mandem-me lavar as mãos antes de ir para a mesa, filhos da puta de progressistas do caralho da revolução que vos foda a todos! Deixem-me em paz, porra, deixem-me em paz e sossego, não me emprenhem mais pelos ouvidos, caralho, não há paciência, não há paciência, deixem-me em paz, caralho, saiam daqui, deixem-me sozinho, só um minuto, vão vender jornais e governos e greves e sindicatos e policias e generais para o raio que vos parta! Deixem-me sozinho, filhos da puta, deixem só um bocadinho, deixem-me só para sempre, tratem da vossa vida que eu trato da minha, pronto, já chega, sossego, porra, silêncio, porra, deixem-me só, deixem-me só, deixem-me só, deixem-me morrer descansado.”

José Mário Branco
25/5/1942 - 19/11/2019

segunda-feira, novembro 18, 2019

Parabéns a Alan Moore, Mestre Absoluto, pelo seu 66.º aniversário.

Argentina Santos
6/2/1924 - 18/11/2019

Volta atrás vida vivida
Para eu tornar a ver
Aquela vida perdida
Que nunca soube viver

Voltar de novo quem dera
A tal tempo, que saudade
Volta sempre a primavera
Só não volta a mocidade

A vida começa cedo
Mas assim que ela começa
Começamos por ter medo
Que ela se acabe depressa

O tempo vai-se passando
E a gente vai-se iludindo
Ora rindo ora chorando
Ora chorando ora rindo

Meu deus, como o tempo passa
Dizemos de quando em quando
Afinal, o tempo fica
A gente é que vai passando

(letra: João de Freitas)


quarta-feira, novembro 13, 2019

Curioso: a entrada da Voyager 2 no espaço interestelar foi pela primeira vez notícia no passado dia 4, exactamente um ano depois de eu ter entregado o manuscrito final d'A IMORTAL DA GRAÇA. Estes excertos são do capítulo 12, intitulado, exactamente, Voyager:

«Num ontem já com uns bons quarenta anos, descobriu que nenhuma imagem da sua rua, da sua cidade, do seu país, constava das cento e dezasseis fotografias que a NASA enviara, gravadas em discos de ouro, em ambas as sondas Voyager. O espectro solar, o esqueleto, os orgãos internos, o feto, um pai e uma mãe, uma construção Amish, uma casa algures em África, uma festa na China, o tráfego na Tailândia, o edifício das Nações Unidas durante o dia, o edifício das Nações Unidas durante a noite, uma dançarina do Bali, um quarteto de violinos, o Outono e a queda das folhas, um homem velho de barbas na Turquia, o raio-X de uma mão, um avião em voo. Depois de a Terra morrer, não ficaria nenhum registo dos poucos metros quadrados onde passara a maior parte da vida. Nenhuma imagem do bairro, de casa. De si.
A gaveta da mesa-de-cabeceira guarda achas que ainda fervem: meias de lã, arma de fogo, uma fotografia que serve de cobertor ao revólver,
Foi a última que tirámos, ele e eu, que depois nunca mais me deixei fotografar, era o que mais faltava.
seria o mesmo que a fotografarem sem um braço.
- Tanto que se ganha quando se deitam coisas fora.
só que a Menina Celeste, nada presa à bagagem, agarrava-se a esta fotografia.
(...)
O tempo parou em 1977, quinze anos antes de a Graça nascer, quando as Voyager deixaram a Menina Celeste para trás, soterrada numa hipótese de vida e lugares especiais e sorrisos que valiam a pena serem lembrados, ao contrário dos seus. Deixou de olhar para o céu porque não se revê nele.
(...)
Daqui a quarenta mil anos, a Voyager 1 chegará à estrela mais próxima de nós, depois do Sol. Se alguém longe, fora daqui, abrir a gaveta e vir aquelas cento e dezasseis fotografias, não saberá apreciá-las. Vai faltar-lhe mundo.»

terça-feira, novembro 12, 2019

Ei-los: a 2.ª edição de “Coração com estrela-do-mar dentro” e a primeiríssima de “Alta finança”! Livros de tiragem limitada, impressos em risografia, encadernados com costura, com ilustrações da incrível death_by_pinscher de contos meus. Vão estar disponíveis na próxima edição da Feira Raia, dias 16 e 17 deste mês. Supimpíssimo!

sábado, novembro 09, 2019

De 16 a 17 vai haver Feira Raia nos Anjos70, e a incrível death_by_pinscher vai lá estar com dois exclusivos: uma 2.ª mui limitada edição (24 exemplares) de “Coração com estrela-do-mar dentro”, conto escrito por mim e ilustrado por ela; e a estreia de “Alta finança”, edição limitada a 50 exemplares, um conto também da minha lavra com ilustrações da death. Ambas as edições foram impressas em risografia, com todos os exemplares numerados e assinados. Estes livros não estão disponíveis em mais lado nenhum, pelo que é indispensável uma visita à Raia no próximo fim-de-semana. A death_by_pinscher terá também à vossa disposição um sortido de linogravuras com ilustrações do “Coração com estrela-do-mar dentro”, e outras originais. Apontai nas vossas agendas para não deixarem escapar as datas.

quinta-feira, novembro 07, 2019

The true size

THE NAKED DIRECTOR, baseado em factos reais. Série de que ninguém fala, mas devia. Dramedy acerca da indústria pornográfica japonesa nos anos 80. Explícito é dizer pouco. O episódio 5 atinge píncaros. Excelente elenco, com destaque para Takayuki Yamada e Misato Morita. Vede.

Hossana nas alturas! A Web Summit conquista pazadas de crentes com a bênção mais antiga de sempre: contratando-os. E assim, de um ano para o outro, a WS já não prejudica a circulação na cidade, não há problema nenhum em ter voluntários a trabalhar de graça, as startups são mesmo o tijolo dessa bonita construção que é o futuro, os entrepreneurs são o novo Conan Osíris, e o Paddy Cosgrave é o novo Nick Cave. Este ano, a WS até podia organizar um paintball no Panteão que muitas das vozes outrora discordantes rejubilariam. Há beijo de língua e mamanço de boca com a Web Summit e nem sequer foi preciso criar nenhuma app para isso. Afinal, era fácil. Glória, glória, Appleluia!

Exemplar de ALICE’S ADVENTURES IN WONDERLAND encontrado numa velha casa no Reino Unido, danificado pela humidade e com cogumelos a crescerem das páginas.
Nada mais apropriado.
Fotografia de Igor Siwanovicz.
Obrigado, Isabel Lima.

quarta-feira, novembro 06, 2019

terça-feira, novembro 05, 2019

segunda-feira, novembro 04, 2019

Dias 15 e 16 estarei na Ilha de São Miguel para o encontro literário Arquipélago de Escritores, muitíssimo bem acompanhado em duas mesas distintas. Obrigado ao Nuno Costa Santos pelo convite.

Adi Granov

Julian Totino Tedesco

Blade Runner 2049

domingo, novembro 03, 2019

A edição impressa do semanário italiano Left traz um artigo sobre a gentrificação de Lisboa, para o qual falei com o Daniele Coltrinari acerca do meu mais recente romance, A Imortal da Graça. Obrigado ao Daniele pela conversa, e até breve.

sábado, novembro 02, 2019