quinta-feira, março 30, 2017

Incrível espectáculo, o de Eddie Izzard na terça-feira passada. Rigor, à-vontade, aquele repentismo aparente, próprio de quem tem a dinâmica e o tom muitíssimo bem oleados. Um portento galhófico. Urge dar os parabéns ao Hugo Nobrega da H2N pela iniciativa de colocar terras lusas no mapa de digressão de um comediante desta envergadura. A internacionalização não passa só pela actuação de portugueses no estrangeiro, mas também por trazer estrangeiros até Portugal. A médio/longo prazo, esta proximidade poderá trazer frutos ao que se faz por cá, amadurecendo público e profissionais. Bom para todos e a todos os níveis. O facto de se dar mais importância à questão de quais os profissionais que estiveram presentes entre o público e os que estiveram ausentes - uma abordagem que esperaria de, p.e., um qualquer "Fama Show" - do que ao que aconteceu em palco, será talvez prova do caminho que ainda falta calcorrear. A comédia, quer parecer-me, é um percurso, mais do que um fim em si mesmo, e há sempre espaço para tentar, falhar, aprender, repetir. E rir. Muito.

P.S. - Sim, é uma selfie com o Eddie Izzard, após uns bons 20 minutos de conversa. Ia lá perder uma oportunidade destas.

Sem comentários: