sexta-feira, março 31, 2017























Não consigo descobrir o autor; se alguém souber, é favor partilhar.

Amanhã

Lançamento do número 15 da Flanzine.
Obrigado mais uma vez ao João Pedro Azul pelo convite, dá gosto fazer parte da Flan.

Mais info aqui.

Mete mais alto #532


Iron Maiden - Phantom Of The Opera - Live @ the Rainbow, 1980
Paul Di'Anno - Voz
Steve Harris - Baixo
Dave Murray - Guitarra
Adrian Smith - Guitarra
Clive Burr - Bateria

Mete mais alto #531


Scorpions - Sails of Charon
@ Musikladen TV, 16-1-1978
Klaus Meine - Voz
Uli Jon Roth - Guitarra Solo
Rudolf Schenker - Guitarra ritmo
Francis Buchholz - Baixo
Herman Rarebell - Bateria

18 anos de Matrix

Mete mais alto #530


The Thelonious Monk Quartet
Monk's Dream
Gravado em 1962,
1.ª edição em 1963

Thelonious Monk – Piano
Charlie Rouse – Sax tenor
John Ore – Contrabaixo
Frankie Dunlop – Bateria

O Dia das Mentiras na Era da Pós-Verdade

Olha-se para o lado e pensa-se: olha, o Carrilho passou-se outra vez e afiambrou alguém. Mas não, é a verdade com um olho ao peito.
Ouçam aqui.

Esta cerveja cheira a pupu
Ouçam aqui.

NãoÉMau

quinta-feira, março 30, 2017

Se temos de começar a chamar nomes diferentes às coisas para que as coisas sejam tratadas como as coisas que são, está o caldo entornado.
Ouçam aqui.


#NãoÉMau

Incrível espectáculo, o de Eddie Izzard na terça-feira passada. Rigor, à-vontade, aquele repentismo aparente, próprio de quem tem a dinâmica e o tom muitíssimo bem oleados. Um portento galhófico. Urge dar os parabéns ao Hugo Nobrega da H2N pela iniciativa de colocar terras lusas no mapa de digressão de um comediante desta envergadura. A internacionalização não passa só pela actuação de portugueses no estrangeiro, mas também por trazer estrangeiros até Portugal. A médio/longo prazo, esta proximidade poderá trazer frutos ao que se faz por cá, amadurecendo público e profissionais. Bom para todos e a todos os níveis. O facto de se dar mais importância à questão de quais os profissionais que estiveram presentes entre o público e os que estiveram ausentes - uma abordagem que esperaria de, p.e., um qualquer "Fama Show" - do que ao que aconteceu em palco, será talvez prova do caminho que ainda falta calcorrear. A comédia, quer parecer-me, é um percurso, mais do que um fim em si mesmo, e há sempre espaço para tentar, falhar, aprender, repetir. E rir. Muito.

P.S. - Sim, é uma selfie com o Eddie Izzard, após uns bons 20 minutos de conversa. Ia lá perder uma oportunidade destas.

Recontextualização Pop em Suporte Digital da Obra em Bronze do Escultor Emanuel Santos
ou
Esta Está Muito Bem Esgalhada.
(alguém sabe quem fez?)

Sim, porque chamar Sá Carneiro a um aeroporto revelou um tacto do caraças.

domingo, março 26, 2017

Mete mais alto #529


John Coltrane - Sax tenor & soprano
Wynton Kelly - Piano
Paul Chambers - Contrabaixo
Jimmy Cobb - Bateria
com os convidados
Oscar Peterson - Piano
Stan Getz - Sax tenor

28 de Março, 1960
Düsseldorf, Alemanha

Happy birthday, José Luis García-López!

Happy birthday, Brian Bolland!




Filho da Treta:
Obrigado, Porto!

Um mês em grande no Sá da Bandeira! Até sempre!

Saturday Night Live, 1981: John Belushi consegue que os Fear actuem em directo. O estúdio é aberto aos fãs da banda. Os Fear ficam proibidos de voltar a actuar no SNL. A actuação fica para a História.

Levaram-nos uma hora, sem ai nem ui.
E ainda há quem nos diga livres.

sexta-feira, março 24, 2017

Depois de ter sido exibido na segunda-feira, inserido na competição internacional, o nosso GARATUJO volta a passar na Monstra, desta vez na sessão Prémio SPAutores - Vasco Granja, junto com mais 12 curtas-metragens nacionais. É hoje às 22h no Cinema São Jorge.

Os Inusitados Mistérios do Detective Patavina

Na senda dos grandes mestres da literatura policial, como Rex Stout, Dashiel Hammett e Inspector Varatojo, chegam agora à TSF os Inusitados Mistérios do Detective Patavina.
Ouçam aqui.

Mete mais alto #528

Melismática bizantina:
composições da abadessa Kassiani (805 ou 810 - 865).

Putin canta "Creep" dos Radiohead

quinta-feira, março 23, 2017

5 x Kelley Jones




BERNIE WRIGHTSON: An Appreciation, by Kelley Jones

A Master salutes a Legend - leiam aqui.

Claudia Cardinale
por Pierluigi Praturlon

Cartaz soberbo. Agora é esperar que o filme corresponda.























(click para aumentar)

Rejubilai: vem aí livro novo do Bruno Vieira Amaral.

quarta-feira, março 22, 2017

É hoje!

Ensaio solidário de "Dois Homens Completamente Nus". Se correrem, talvez ainda consigam bilhetes. 21h30 no Teatro Villaret. Abraço e muita merda para os amigos Miguel Guilherme, Jorge Mourato, e toda a equipa!

5 x Bernie Wrightson

"It will make the women scream and the little bambinos are gonna freak out."

Farinelli (1994)

O acto solidário de assinar de cruz

Anteontem aprendemos que se pode comer gelados sem ser com a testa. E ontem aprendemos a usar os directos da CMTV quando o José Sócrates vem a sair do DCIAP como alternativa ao yoga e à meditação zen transcendental. E hoje vamos aprender como é que uma ministra assina o decreto-lei que permitiu a resolução do BES sem sequer o ler - aqui.

terça-feira, março 21, 2017

O comportamento e as declarações de algumas figuras ligadas aos centros de decisão andam a facilitar muito qualquer trabalho de comentário político e social que se possa fazer. Por exemplo, quando se ouve o Jeroen Dijsselbloem obrar que os países do Sul não podem gastar o dinheiro todo em mulheres e copos, não há muito mais que se possa dizer para além de "Que idiota". É por isso que, quando surge aquela conversa de termos de ouvir pontos de vista diferentes do nosso, há que relativizar. Há pontos de vista que não vale a pena discutir, porque não são pontos de vista, são palas para os olhos que gente como o Dijsselbloem tem e que, mais grave ainda, nos quer impingir. Argumentar com Dijsselbloem e afins requer um nível de ignorância que contamina, à partida, qualquer questão.

Alex Ross

A obscuridade é o refúgio da incompetência

"Rodin morreu mais ou menos na altura em que o mundo começou a sacudir a sua tampa. Os seus sucessores notaram as coisas fantásticas que ele tinha feito com luz, sombra e material e composição e copiaram essa parte. O que eles não conseguiram ver foi que o mestre contava histórias que revelavam o coração humano. Desdenharam pintar ou esculpir essas histórias... e apelidaram tal trabalho de literário. Partiram todos para as abstrações. (...) O desenho abstracto está correcto: para papel de paredes ou para linóleos. Mas a arte é o processo de invocar piedade e terror. O que os artistas modernos fazem é masturbação pseudo-intelectual. Arte criativa é uma relação sexual em que o artista emociona a sua audiência. Estas senhoras que não se dignarão fazer isso... ou não podem... perderam o público. O indivíduo vulgar não comprará «arte» que o deixe insensível. (...) Uma pessoa tem de aprender a olhar para a arte. Mas cabe ao artista usar linguagem que possa ser entendida. Muitos desses brincalhões não querem usar uma linguagem que tu e eu possamos aprender; preferem escarnecer porque nós não «conseguimos» ver aquilo que eles querem dizer. Que não é nada. A obscuridade é o refúgio da incompetência."

- Jubal Harshaw, o alter ego do próprio Robert A. Heinlein n'"Um Estranho numa Terra Estranha" (1961) e em alguns outros livros.

#repost

Porque é dia mundial da poesia:

A Favola da Medusa apresenta "Então e o Caniche?" a partir da "Poética" de Aristóteles

Parte I - Dissertação sobre a superioridade da tragédia
Parte II - O belo

Miguel Martins - Orador
Filipe Homem Fonseca - Piano
José Anjos - Bateria

Gravado ao vivo no Bar do Teatro A Barraca
21 de Agosto, 2015

segunda-feira, março 20, 2017

O Garatujo vive!

Estreia hoje na MONSTRA a curta-metragem de animação GARATUJO que escrevi e para a qual fiz, com a minha pandilha d'A Favola da Medusa, a banda sonora e a sonoplastia.
Tudo começou há uns anos, quando o Pedro Brito, amigo e realizador com o qual já tinha feito a curta SEM RESPIRAR, me contactou para ver se eu tinha ideias para curtas. Das duas de que lhe falei, decidimo-nos por esta, que já tinha praticamente escrita, pela história em si e pela oportunidade, dada pelo universo onde decorre, que daria ao Pedro de explorar diferentes estéticas de animação. A premissa é muito simples: para onde vão as ilustrações mal desenhadas, aquelas que se deitam fora?
Durante a finalização do guião propriamente dito, pensei que seria adequado que o narrador falasse em rima, e as coisas começaram a alinhar-se para que esta fosse uma curta bastante diferente do trabalho que tínhamos feito no passado. O Pedro juntou os talentos da Rita Silvestre e do Osvaldo Medina e, passado uns meses, voltou a ligar-me com uma ideia: e se fosse A Favola da Medusa a fazer a banda sonora? Pareceu-nos que fazia, de facto, todo o sentido, e no meio de uma vaga de calor do ano passado, eu, a Ana Isabel Dias, o Miguel Martins e o Mário Rua passámos dias intensos no estúdio do João Penedo a gravar o que é uma das mais complexas peças d'A Favola.
Para a voz do narrador, o nome do José Anjos surgiu como escolha óbvia (a versão inglesa é narrada por Jon Moni, numa brilhante tradução de Melinda Eltenton). Estavam agrupados todos os elementos para fazer deste GARATUJO uma curta da qual todos nos orgulhamos muito, e que poderão ver hoje às 22h no Cinema Ideal.
Uma produção Animanostra, do caríssimo Humberto Santana, que não vai daqui sem um obrigado pelo entusiasmo e confiança demonstrados durante o processo.

Fight da Powa!

Mete mais alto #527


Barney Kessel - Guitarra
Jim Richardson - Baixo
Tony Mann - Bateria
1979

Mete mais alto #526


Eve Risser - Piano
Joris Rühl - Clarinete
@ festival le bruit de la musique
Capela de Saint-Silvan sous-Toulx
18 de Agosto, 2013

(Obrigado, Miguel)

Mete mais alto #525


Live @ Reeperbahn Festival
29 de Setembro, 2007

sábado, março 18, 2017

Mete mais alto #524


Joe Pass & Ella Fitzgerald - Duets in Hannover, 1975

Alinhamento


Bill Sienkiewicz, 1983


Moebius