sábado, novembro 26, 2016

Isto não é o faroeste

Muita gente maluca com WESTWORLD, eu incluído, apesar de achar que a série perdeu algum fòlego nesta segunda metade. O arranque do 8.º episódio, p.e., foi um tratado de má exposição narrativa - nada que, infelizmente, não se espere de algo com o toque de Jonathan Nolan -, e isso desmotivou-me um bocado. Mas a verdade é que a série tem sido bastante boa, com brutais valores de produção, elenco de excepção e momentos que já garantem lugar num qualquer panteão televisivo. Criada por Jonathan Nolan e Lisa Joy a partir do filme homónimo escrito e realizado por Michael Crichton em 1973, e da sequela, FUTUREWORLD (realizado por Richard T. Heffron e escrito por Mayo Simon e George Schenck), extrapola o conceito muito para lá do sequer esboçado no primeiro filme; mas, se viram FUTUREWORLD, talvez já tenham uma ideia muito concreta do rumo que a série vai tomar. Como aposta da HBO num porta-aviões pós-Game of Thrones, parece-me vencedora. Está garantida uma segunda temporada, que poderá só vir em 2018.
Curiosidade, para aqueles já cativados pela orelhuda música do incrível genérico: o tema é da autoria de Ramin Djawadi, que também compôs o tema de Game of Thrones.

Sem comentários: