quarta-feira, novembro 30, 2016

Excerto do prefácio que escrevi para o "Com o Humor Não se Brinca" do Nelson Nunes:

O panorama do humor nacional mudou muito nos últimos 30 anos, mais ainda nos últimos 20, e muito mais nos últimos 10. Um crescimento exponencial avassalador. A comédia atingiu o nível de variedade da música: há blues, e disco, e funk, e blues, e jazz, e pimba; e depois, dentro do rock, há o metal; e dentro do metal há o heavy, e o thrash, e o doom; e depois há os que fazem pimba mas acham que estão a fazer rock, e os que fazem rock fazendo pimba, e os que fazem pimba sabendo que estão a fazer pimba. Há música de todos os géneros e sub-géneros, para todos os gostos e, porque não dizê-lo, para todos os sub-gostos. Assim é na comédia. Esperar que a mundivisão de um Stockhausen seja igual à de um Artur Gonçalves, autor do seminal “Não Passes Mais com Ele na Musgueira”, é ingénuo.

Sem comentários: