segunda-feira, novembro 07, 2016

Amanhã, quer vença Trump, quer vença Hillary, não sejamos fatalistas. Não é o fim do mundo. Não esqueçamos que por cá, por exemplo, sobrevivemos a décadas de Cavaco.

Sem comentários: