quarta-feira, junho 29, 2016

Deparamo-nos com uma grande ironia, sempre que fazemos busca a Wolfgang Schäuble num dispositivo móvel.


‪#‎JeSuisFartoDaConversaDoCharlie‬

Istambul.
A barbárie avança.

terça-feira, junho 28, 2016

segunda-feira, junho 27, 2016

Andam a gozar com o Messi por ter desistido da selecção, mas quando perceberem que na próxima temporada do GoT teremos dois anões, até se passam.

Mete mais alto #476

Novo video das riot grrrls Anarchicks!

«"fucking immigrants go home". ainda não verifiquei no google translator mas acho que este novo slogan quer dizer "abaixo os eurocratas".»
- Pedro Vieira

O apelo ao medo.

domingo, junho 26, 2016

"Não se passa nada", dizem eles, "é só fumaça"

"...é só fumaça."

Olha! O Barry Blitt fez a mesma associação de ideias que eu. A coisa estava mesmo a pedi-las. Sai dia 4 de Julho.

sexta-feira, junho 24, 2016

"Isto do Brexit não muda nada", disse o iludido enquanto esperava na fila para tirar o passaporte que o permitiria ir ao Reino Unido.

O número de gente a perguntar se o Algarve também vai sair da UE subiu para 8754.
#suspiro

E aquele pessoal que diz "o Reino Unido continua a pertencer à Europa, quer sair é da União Europeia", como se estivessem a enunciar a Teoria Unificada? Esgotado o bordão, mudam a conversa para os últimos desenvolvimentos na trama da Única Mulher.

Pessoas que eu considerava minimamente esclarecidas e que depois, quando expostas a situações-limite, só dizem cocó. Está a acontecer novamente com os resultados deste referendo no Reino Que Já Foi Unido. A estupidificação alastra. Não percebo como é que o Love on Top tem tão baixas audiências. Nem como é que não há mais gente a fazer fogo com duas lascas de sílex.


Now suppose England would go and win the #Euro2016 

#mindfuck

Adio, adieu, auf Wiedersehen, goodbye
#EUref #Brexit


Silly walk towards the Brexit


CM (Conceituada Marca)

Tenho sempre interesse em saber quem são os autores de grandes obras da Humanidade, como por exemplo, o "Ecce Homo"; não tanto o original de Elías García Martínez, do séc. XIX, mas o mash up que a octogenária Cecilia Giménez fez em 2012 do Cristo de Borja com águarrás e robialáques.
Por isso, não posso deixar de indagar: quem foi o responsável por isto? Quem foi a mente desbravadora que resolveu destacar o facto de que "o microfone era de conceituada marca"? Com que artístico propósito? Terá pensado que os leitores vão ficar mais indignados com o arremesso de Cristiano Ronaldo porque o microfone era de conceituada marca? Se fosse de assim-assim marca, era menos grave? "Eisssh, vê lá tu que o microfone não era de remediada marca, nem sequer era de comedida marca... era de conceituada marca! Como é que é possível, arremessar para dentro do lago um microfone de conceituada marca? Que vergonha!"
A quem se pode atribuir esta pérola? Nada que não fosse esperado, vindo do seio desta casa-mãe. Ou não fossem CM as iniciais de Conceituada Marca.


quinta-feira, junho 23, 2016

quarta-feira, junho 22, 2016

Com este golo, CR faz o segundo mic drop do dia!

O Fernando Santos deve estar a sentir-se como o microfone da CMTV nos instantes antes do arremesso: "Safo-me? Não me safo?"

Bom, pelo menos o microfone entrou, sem espinhas. Esse, já ninguém nos tira.

Na despedida, microfones elogiam o colega microfone: "Velório de Samira, Palácio do Kebab... estava em todas. Era um profissional de mão-cheia".

Detractores de CR dizem que Messi teria atirado o microfone mais longe.

Última hora: Maya chocada com arremesso do microfone - "Podia ter sido eu".

Exclusivo CM: irmã de microfone da CMTV em fotos ousadas no próximo número da revista de domingo.

CMTV prepara directo do velório e funeral do microfone.

Última hora: para se redimir, CR manda entregar pizza à CMTV.

Como é que nenhum dos adeptos que estavam ali se atirou para dentro de água para resgatar o micro? #buedaguitanoolx

Última hora: microfone atirado por CR acertou no poste.

Parece-me preparadíssimo. Rock 'n roll!

‪Não é mau‬ - Cheirar o rabo em público
















Tanto quanto sei, ou tanto quanto espero, os milhares que estão no estádio foram lá para ver o jogo. Não foi para estarem de mirones postos no Joachim Löw a enfiar a mão nas calças. Se eu já acho caro um bilhete para ver malta a jogar futebol, então se me dizem que aquele preço é para assistir ao espectáculo de ter um tipo a enfiar a mão nas calças e a cheirar o rabo, eu fico a achar que está tudo maluco e que o pessoal já não sabe o que é que há-de fazer ao dinheiro.
Ouçam aqui.

Vejam o Rodrigues dos Santos ontem à noite na RTP 3 a propósito do Brexit e depois venham-me falar do último episódio do Game of Thrones.


terça-feira, junho 21, 2016


Estava-se mesmo a ver. É tudo naquela e depois afinal, enfim. E como é que fica agora, visto que entretanto é o que se sabe? Pois, dá sempre no mesmo e não vale a pena coiso, porque às tantas é isto e é aquilo e depois contas feitas dá exactamente. Como dizia o outro, o melhor é deixar porque pronto. É que já nem é preciso dizer mais nada.*

*Isto é ao que me soam alguns posts que me passam pela vista no FB.

Alban Hefin, solstício de Verão, com lua cheia. Dançam as bruxas.

segunda-feira, junho 20, 2016

Não é Mau - Ser estúpido faz mal à saúde

João Malheiro, o renomado autor do célebre opúsculo “Cona d’Aço”, representante maior da cultura ocidental desde títulos como “Picha de Ferro” e “Buceta de Betão”, tem uma opinião sobre a homossexualidade. (...) hoje em dia a palavra opinião é muito mal tratada. Actualmente, opinião pode ser preconceito, pode ser homofobia, pode ser xenofobia, pode ser estupidez, pura e simples. Mas, como toda a gente tem direito a ter uma opinião, a coisa segue. Acho que opinião é uma coisa diferente. Mas isto, enfim, é só a minha opinião. - Ouçam aqui.

A cegueira corporativa é o novo gin.


RIP info isenta


domingo, junho 19, 2016

sábado, junho 18, 2016

Disseram que a selecção nacional jogava hoje.
Mentiram.

Hoje

sexta-feira, junho 17, 2016

Mete mais alto #476

A ascendência real do imobiliário em lugares imaginados por monólitos que sonham: nada acontece por acaso. Vem aí o novo de Saturnia, do Grande Mestre Vagabundo dos Limbos, Luis Simões.

Mestre no terreno

Melhor coisa que verão hoje na web. E, dependendo do grau de interesse da vossa vida, poderá ser a melhor coisa que verão em toda a vossa existência.

do incrível Mike Diva

Estes comediantes andam levados da breca.
Ai, não, espera...!


Embevecidos, olharam para o filho e imaginaram em que polémicas se envolveria no FB quando fosse grande.

quinta-feira, junho 16, 2016

Mete mais alto #475

SAVAGES - THE ANSWER

Foi há 23 anos. Eu estava lá.

Mete mais alto #474

The world used to be silent
Now it has too many voices
And the noises are constant distraction
They multiply, intensify
They will divert your attention to what's convenient
And forget to tell you about yourself
We live in an age of many stimulations
If you are focused, you are harder to reach
If you are distracted, you are available
You are distracted, you are available
You want flattery
Always looking to where it's at
You want to take part in everything
And everything to be a part of you
Your head is spinning faster at the end of your spine
Until you have no face at all
And yet if the world would shut up, even for a while
Perhaps we will start hearing the distant rhythm of an angry young tune
And recompose ourselves
Perhaps having deconstructed everything
We should be thinking about putting everything back together

Silence yourself

SAVAGES - SHUT UP

Mete mais alto #473

SAVAGES - ADORE

Cardápio desta noite, iguarias na sua maior parte trazidas da alexandrina biblioteca do excelso João Morales. Hoje celebrou-se o Mestre Vilhena. Obrigado a todos os que estiveram presentes e à Isabel Maria pelo convite.


quarta-feira, junho 15, 2016

Hoje


Circunscrever ao Facebook as manifestações de miséria humana é um exercício de optimismo. O problema não é, nem nunca foi, a maneira como as pessoas se comportam, e o que dizem, nesta ou naquela rede social; isso significaria que os energúmenos são apenas virtuais e, como se pode verificar no quotidiano táctil, tal não é verdade. Apedrejamentos públicos por malta com mais gravilha na mão do que massa cinzenta no crânio, vitimizações patéticas e fundamentalismos abjectos, intolerância e ódio, bashing e lambe-scroting (inventei agora; acho o termo apropriado e em português - "lambe-escrotismo" - também funciona bem) já existiam muito antes do Zuckerberg ter enriquecido à conta desta nossa lícita necessidade de dizermos coisas, mesmo quando não temos nada de jeito para dizer.
O que acontece é que, com o Facebook, as intenções, conscientes ou não, tornam-se mais evidentes, assim as queiramos descortinar - e não o fazemos de ânimo leve: olhar ao espelho e vermo-nos nos outros é um golpe rude na ideia infundada de que cada um de nós é único, irrepetível, indispensável.
Tem também, em última análise, a ver com uma ilusão de poder. É sempre muito mais fácil defender um ponto de vista, mesmo não o tendo, quando apenas se corre o risco de uma crítica fundamentada ou idiota, ou de um block, e não de ter uma arma carregada apontada à cabeça, transtorno que, convenhamos, é muito mais incómodo.
As redes sociais servem, acima de tudo, para nos fingirmos civilizados, quando na realidade não somos. E isso nota-se, não só no Facebook, mas especialmente lá fora.


terça-feira, junho 14, 2016


M. ia à Feira do Livro três vezes por dia. Quando acabou, viu-se triste.

segunda-feira, junho 13, 2016

Paolo Rivera



Quando era puto e havia bronca no pátio da escola, havia os que troçavam da vítima e os que troçavam do agressor. Sempre preferi estes últimos. Os primeiros, o que estavam a mostrar, era medo de serem os próximos a levar nas orelhas. Os segundos davam o peito às balas. Para mim, este sim, sempre foi o verdadeiro significado de "tudo por uma piada".

domingo, junho 12, 2016

Não é o único.

Atentados no ‪Euro 2016‬? Hm. Os terroristas têm medo destes gajos.

sábado, junho 11, 2016

O rebarbamento já tem uma medida oficial: o calzedonia. Quantas mais menções aos anúncios da calzedonia alguém postar, maior o nível de rebarbamento.

quinta-feira, junho 09, 2016

quarta-feira, junho 08, 2016

Para os ofendidinhos.

Can we take a joke?

Já saiu a Ler de Verão e inclui um texto meu, "Soluções impossíveis para problemas insolúveis"; uma abordagem pessoal, histórica e sociológica à banda desenhada norte-americana.

terça-feira, junho 07, 2016

An Experiment on a Bird in an Air Pump
- Joseph Wright of Derby, 1768


(click para aumentar)

World Science Festival 2009
NOTHING: The Science of Emptiness

George Ellis, Frank Wilczek, John Barrow, Paul Davies, John Hockenberry (moderador)

Nódoa: dia 1 de Julho vamos estar no Festival Silêncio!

Não é mau: Cartomantes, esses charlatões

Quando se dá tempo de antena a este tipo de charlatanice, como se estes chicos e chicas-espertas tivessem qualquer tipo de autoridade, de competência, de legitimidade para falar das doenças e dos problemas das pessoas que, por ignorância e desespero, a eles recorrem, é vergonhoso. É um escândalo. É um retrocesso civilizacional.
Ouçam aqui.

sábado, junho 04, 2016

Conheci-o aqui. Para mim sempre esteve ao nível do Super-Homem. Quem não o conheceu aqui, também o via como Super. Porque foi; representou o mais determinado que há em nós. A partir de hoje, já não podemos dizer que vivemos no mesmo mundo de Muhammad Ali. Fica a memória, a herança, a inspiração.

sexta-feira, junho 03, 2016

E os campeões que, ao criticar Jorge Jesus pelas bacoradas que larga ao falar, ainda fazem pior figura? A alfabetização tem muito que se lhe diga. E num país com uma taxa tão elevada de analfabetização, devemos ficar agradecidos pelo facto de não saber utilizar vírgulas ser insuficiente para considerar alguém analfabeto. Escreve-se de forma paupérrima, com erros gramaticais e ortográficos arrepiantes, às vezes até em jornais. Mas os recordes de disparate batem-se nas redes sociais. Há gente a escrever "trata-se" quando queria escrever "tratasse", "come-se" quando queria escrever "comesse". Há quem escreva "foda-se" sem travessão. Há quem continue a dizer e a escrever "há um ano atrás". Peeps, não quero estar aqui a dar uma de Edite Estrela, ou de Diogo Infante no "Cuidado com a Língua", mas se foi "há um ano" não é preciso dizer que foi "há um ano atrás". Não se repitam. Isso é o mesmo que dizer "subir para cima" ou "descer para baixo" ou “Donald Trump grunho”. Este texto, de terça-feira passada, e que veio a propósito de outro acontecimento recente, é exactamente sobre essas aves infelizmente não tão raras assim - antes pelo contrário. Ouçam aqui.

quarta-feira, junho 01, 2016

Mete mais alto #472

MM3, o novíssimo de Metá Metá.

A quem leu o meu HÁ SEMPRE TEMPO PARA MAIS NADA: já viram isto? Pois é.

Calhou que a primeira versão deste novo projecto fosse concluída hoje, dia da criança. E, quando souberem do que se trata, verão que não podia ser mais apropriado. " - Então mas e é o quê?"
Aguardai, meus queridos lambuças. Novidades a estalar em breve!

Dia da criança