segunda-feira, março 28, 2016

Aqui tão longe

Em Junho do ano passado, fui contactado pela SP Televisão para criar e escrever uma série para a RTP 1. Hoje estamos no fim de Março e amanhã estreia a série. Nove meses da concepção à apresentação pública. Uma maratona em ritmo de sprint, como costuma dizer o Tiago R. Santos. Pelos dias em que andava a pensar numa ideia para uma série, calhou ir a um oftalmologista. Durante os exames, descobri o ponto de partida: a distância. A distância entre pessoas, objectivos, sonhos; aquela entre o que queremos e o que podemos, entre o que desejamos e o que precisamos. A distância entre a necessidade de segurança e o impulso pela busca de aventura, entre o que somos e o que desejamos ser, entre o que éramos e no que nos vamos tornar; entre o que o mundo faz de nós e nós com ele. Comecei então a pensar na história, nas personagens. E a escrever. Depois de ter o episódio piloto e a ideia para a série aprovados, havia então que escrever as duas temporadas de 16 episódios cada, num total de 32 episódios. Isto em cerca de seis meses, tarefa que não conseguiria cumprir sem a ajuda do Nuno Duarte, do Pedro Goulão, do Luís Filipe Borges, e do Tiago R. Santos. Foram muitas ideias, abordagens e versões de cada guião trocadas entre nós, muitas dúvidas, epifanias e epifanots, muitas conversas, muitos telefonemas às cinco da manhã pensando que eram cinco da tarde, tal era o ritmo. Obrigado, malta! Obrigado a toda a equipa da SP, obrigado a todo o elenco! Obrigado à direcção de programas da RTP, pela confiança, pela aposta nesta série. A partir de amanhã, de terça à sexta, 22h, a série que ocupou a maior parte das nossas vidas nos últimos meses vai começar a ser exibida. Esperamos que gostem. Vejam todos os episódios, não deixem de acompanhar o crescendo. Nada é o que parece. Esperamos que gostem.

3 comentários:

Carla Sousa disse...

Vi o primeiro episódio e fiquei colada. Com o argumento, com o conceito base para o mesmo, o elenco e as magnificas interpretações. Para já destaco José Mata e Rui Mendes. Duas gerações. Sim, a distância também existe aqui.
Parabéns! Vou continuar a ver.

Anónimo disse...

Obrigado a todos pela escrita. A série tem o encanto de parecer cuidada e polida e ao mesmo tempo simples e espontânea. Duplos parabéns pela perspectiva ser tão portuguesa quanto possível, excepto... porquê as bombas serem a fundação da história?

Anónimo disse...

Acompanhei os episódios pela RTP Play desde o início e adorei. Fizeram um óptimo trabalho. Também fora de Portugal existem adeptos, sou espanhol, e 'Aqui tão longe" tem sido uma série extraordinária. Parabéns! (David M.)