quarta-feira, fevereiro 17, 2016

Horológio de Andrónico

Respirei pela tua boca o sabor do teu corpo
do interior do teu corpo
conheci-te de dentro para fora
e decidi não embarcar

O baleeiro não precisa de mim
os mares vermelhos não perderão cor
negligência zero, sei o que estou a fazer
o que não estou a fazer, o que não faço

O comandante ignorou o meu pedido
não poderei recuperar os meus pertences
ficarei sem nada a não ser a roupa que visto
os sapatos que calço, as cicatrizes

Adeus, Bóreas, Zéfiro
Euro, Noto
Kaikias, Apeliotes,
Lips, Siroco

Agora quem me gela, quem me aquece
quem me empurra
que outros monstros doces ajudarei a matar
para além do meu querer salgado?


Filipe Homem Fonseca
(inédito)

Sem comentários: