quarta-feira, fevereiro 19, 2014

Plano prevê retirada da calçada portuguesa

Lembro-me da frase "enquanto houver pedras da calçada, isto é tudo meu". Parece-me assim que ficaremos, digamos, com menos de nosso. Um dos efeitos secundários deste plano, a concretizar-se, é tornar mais difícil o arremesso de paralelipípedos na via pública. Se, por um lado, isso acalmará os ânimos dos protestantes mais fogosos, também irá complicar o trabalho dos polícias infiltrados e agitadores. Seja como for, é mais um passo na via da descaracterização, de uma certa perda, creio, de identidade. O que faz sentido: afinal, badala-se além-fronteiras o nosso sucesso, e eu, que olho para o lado e não vejo ninguém aos pulos (ainda bem; é perigoso, a calçada portuguesa escorrega muito), já nem nos reconheço.

Sem comentários: