quinta-feira, fevereiro 20, 2014

Em conversa agora com o Luís Franco-Bastos cheguei a uma conclusão: quando ele se falecer todo, a pergunta não vai ser quais foram as suas últimas palavras, mas com a voz de quem é que ele as disse.

Sem comentários: