sábado, junho 30, 2012

Slam!



















É hoje, inserido no Festival Silêncio, a grande final - 22h30 @ Musicbox Lisboa - POETRY SLAM PORTUGAL. Vou estar, como de costume, a apresentar! Apareçam que vai ser uma grande noite!
Mais info aqui

sexta-feira, junho 29, 2012

Professor Marcelo Rebelo de Sousa comenta a Cimeira Europeia

Outra coisa de hoje - dos textos que mais gozo me deu escrever - ouçam aqui

Outra coisa de hoje. Bom, tecnicamente, de ontem, que já passa da meia-noite

Rescaldo do Portugal-Espanha, com Paulo Bento e Cristiano Ronaldo em directo de Donetsk - aqui.
Amanhã (tecnicamente, hoje), às 8h20, o Professor Marcelo Rebelo de Sousa comenta a Cimeira Europeia. Aos que andam a dormir, recordo que é na Antena 3.

Café Central de há pouco

Portugal-Alemanha: o dia seguinte; fraude no mercado farmacêutico - aqui

Ainda bem que a Merkel não viu o golão do Balotelli. Ia ficar irritada, e um alemão aos gritos ou faz lembrar o Querelle ou remete para 1939.

quarta-feira, junho 27, 2012

Outra coisa de hoje

Antevisão do Portugal-Espanha, com Fernando Santos, Paulo Bento e Cristiano Ronaldo, aqui.

Mete mais alto #166


THE GORIES - YAHA BABY

Madonnítica

Café Central de ontem: o doutor Conde foi ver a Madonna a Coimbra.

Antímio Caixa


Sketch que escrevi para o Estado de Graça, interpretado pelo Manuel Marques, e com uma perninha do meu broda Eddie no fim.

segunda-feira, junho 25, 2012

North Atlantic nos 50 semi-finalistas do Your Film Festival

NORTH ATLANTIC, a curta escrita, realizada e produzida pelo meu estimado Bernardo Nascimento, foi escolhida entre 15000 para ser uma das 50 semi-finalistas do Your Film Festival. É a única representação portuguesa no festival. Os 10 finalistas terão oportunidade de apesentar uma proposta para uma longa-metragem ao senhor Ridley Scott. Por isso, toca a ver, a votar e a divulgar a curta do Bernardo, porque acho que teremos todos a lucrar se alguém que faz uma curta destas tiver hipótese de fazer uma longa. Vejam aqui

Joe Satriani

Especialmente para aqueles que adiam até à última a queda nos braços de Morfeu, aqui fica mais uma peça da nossa actuação acústica "Tropa Fandanga - Parte II". Recordo os mais sensíveis ao tema que neste concerto, para além da Ana Isabel Dias, o Miguel Martins, a Sónia Montenegro e eu próprio, esteve também o Eduardo Madeira a tocar. Convosco, uma sincera homenagem Favólica à MPB, intitulada Joe Satriani.

sábado, junho 23, 2012

Já viram Prometheus?


Não acho nem de longe nem de perto que o filme seja assim tão mau como o pintam. Aliás, acho que Prometheus é bem catita. Muitas das coisas que me apontaram como fragilidades de argumento são, na realidade, erros de legendagem; essa sim, é medíocre, e não me lembro de nenhum filme que tenha sido tão prejudicado pela legendagem quanto este. Talvez haja, mas não me lembro. Prometheus tem fragilidades? Tem. Mas não consigo perceber a verdadeira repulsa que muita gente sente por ele e, especificamente, pelo guião. Parece-me francamente exagerado, esse nojinho todo.

Seguem-se umas notas que não deverão ler se ainda não viram o filme, porque assim vão ficar a saber mais do que devem antes de se sentarem no escurinho do cinema a apreciá-lo. Vou aliás escrever em letras garrafais SPOILER ALERT, que é para minimizar as hipóteses de alguém começar a ler este texto do fim para o princípio. Ele há malta para tudo. E como, palpita-me, este texto vai ser assim a puxar para o longo, vou, de vez em quando, relembrar aquela parte de Prometheus que, acredito, tenha sido apreciada de forma unânime: Charlize Theron. Se nem de Charlize Theron gostaram, então se calhar é melhor não continuarem a ler este texto. Nem, já agora, continuarem a visitar o meu blog. Ok? Bom. Então cá vai:

SPOILER ALERT - SPOILER ALERT - SPOILER ALERT - NÃO LEIAM A PARTIR DAQUI SE NÃO VIRAM O FILME

A crítica/análise/o-que-lhe-queiram-chamar do Topless Robot é tão imbecil que estou a pensar seriamente enviar-lhes um mail obrigando-os a devolverem-me os minutos que perdi a lê-la. Têm razão em algumas coisas, mas quando falam da gravidez da personagem da Noomi Rapace, começam a enterrar-se fortemente. O bacaninho que escreveu aquilo é parvóide e tendencioso. Arriscaria dizer que tem qualquer questão mal resolvida com o Lindelof, ou o próprio Ridley Scott, até, e aproveitou agora para descarregar. Então não é que o bacaninho resolve embirrar com o facto de o robot Fassbender dizer que a Noomi parece estar grávida de três meses só porque ela tinha estado em crio-sono até há uns dias? O que é que o bacaninho não percebeu? É preciso desenhar um boneco para que se faça luz? Pelos vistos, para o bacaninho, é. E se estão à espera que seja eu a dizer porque é que a questão é ridícula, então é porque também precisam de um boneco. E não me está nada a apetecer fazer bonecos. Por isso, avancemos.

Mas antes, e como prometido: Charlize Theron. Pronto. Já retomaram o fôlego? Então podemos continuar.

Que o bacaninho do Topless Robot não perceba porque é que Weyland julga que pode obter a imortalidade conhecendo o seu criador é, para mim, motivo para presenteá-lo com uma cesta de fruta bichada. Tanta crítica à pseudo-filosofia do filme e afinal queriam o quê? - que ele quisesse falar do sentido da vida com os Engenheiros? Ou do resultado do Euro 2012? Aliás, aos que acusam o filme de ter muita filosofia barata, eu pergunto: onde? Onde é que estão as longas questões existenciais discutidas de forma cabotina, como me foi dito? A pecar por alguma coisa, essas conversas pecam por serem demasiado superficiais, pragmáticas e directas. Por outro lado, o filme nunca é maçudo, deixa espaço para que o nosso cérebro (alguns de nós levam-no quando vão ao cinema) preencha os espaços em branco, e aquela mentalidade parece-me tão enraizada nos personagens que, a querer, até consigo perceber que haja uma identidade cultural comum a todos eles, uma que talvez faça todo o sentido no ano 2089. Mas não quero, porque nada disso sequer me perturbou o envolvimento com o filme enquanto o via, e não é agora que vai perturbar. Eu se me puser a ver caracóis à lupa também perco a vontade de comê-los.

Charlize Theron.

É curioso observar que não é tanto no filme em si que a filosofia, teologia, rai'q'ospartologia, surge em todo o seu esplendor, em toda a glória do seu pechisbeque, mas mais nas análises feitas, que procuram um sentido, procuram respostas, herméticas, seguras. Muita razão tem Terry Gilliam, mas há sempre quem prefira que lhes levem a comidinha à boca. O bacaninho do Topless Robot, que tão duramente critica algumas das análises, avança ele próprio com outras ainda mais idiotas. Fecha-se um círculo.

Charlize Theron. Está a dar jeito, não está?

Repito: o filme tem fragilidades de argumento. Pois tem. Acima de tudo, aceito que, para um público mais conhecedor dos territórios da ficção científica, e de - chamemos-lhes assim - correntes teológicas alternativas, não seja muito marcante do ponto de vista da ideia base, e até mesmo, do seu desenvolvimento. Já vimos, de uma maneira ou de outra, aquilo quase tudo, noutros sítios. Mas eu prefiro pôr ênfase no quase. Porque sei, por mais que isso custe a muita malta, principalmente os da minha idade, que muita gente das novas gerações está a ter com Prometheus um primeiro contacto com este tipo de imaginário e de abordagem à vida extraterrestre e à sua relação com a terrestre. E, para esse público, acredito que o filme seja bastante mais impactante. Nem toda gente leu Eram os Deuses Astronautas?, de Erich Von Däniken. Da mesma maneira que eu, quando li The Eternals, de Jack Kirby, não tinha ainda lido Eram os Deuses Astronautas?. Se tivesse lido, iria dizer mal de Eternals? Se adoptasse a mesma atitude que muita malta adopta a propósito de Prometheus, ia. (Vá, e agora crucifiquem-me lá, meus amigos geeks, por eu falar de Eternals no contexto de Prometheus; usem pregos de adamantium que eu faço alergia à ferrugem.)

Não me lixem. Não consigo perceber a embirração extrema. A não ser que também tenham alguma coisa contra o Ridley Scott ou o Damon Lindelof. Ou simplesmente tenham resolvido embarcar naquela coisa do "no meu tempo é que era bom" e insistam em apreciar este filme à sombra do Alien.

Catano. Depois admiram-se de os Engenheiros quererem acabar connosco.

Para fechar: Charlize Theron. E é isto.

sexta-feira, junho 22, 2012

O rescaldo aqui é outra coisa

Ouçam aqui Outra Coisa que fizemos com o rescaldo do Portugal-República Checa de ontem. Têm aqui também acesso aos dias anteriores, com entrevistas a Barack Obama a propósito do G20 e do RIO+20, e a Cavaco Silva a propósito do novo Código do Trabalho, entre Outras Coisas que marcaram a segunda semana desta rubrica.

O Eusébio é um Pão

"O Eusébio é um Pão", excerto da actuação acústica Tropa Fandanga - Parte II, no passado dia 15 no Bartleby. À Ana Isabel Dias, ao Miguel Martins e a mim, juntaram-se a Sónia Montenegro, que já tinha tocado connosco o ano passado no espectáculo Águias do Desterro 1967, e o Eduardo Madeira, que de novo melodiou connosco, depois do seu alter ego, Eduardo Jaime, se ter há semanas juntado a nós para uma performace única no Paradoxo da Tangência.

O Cidadão Barricado

Sketch que escrevi para o Estado de Graça, interpretado pelo Eduardo Madeira, a Maria Rueff, o Joaquim Monchique, o Manuel Marques e a Ana Bola.

Vai ser um zapping constante entre uma palestra acerca da História do Humor desde a Idade Media, um espectáculo de stand up comedy, outro de comédia de improviso, outro de spoken word, um concerto rés-vés-musical, e uma festa de aldeia. O mais provável é que falhemos, eu e o público, e cheguemos ao fim sabendo ainda menos do que sabíamos no início. E isso dá sempre um quentinho bom no estômago.

quinta-feira, junho 21, 2012

LX Comedy Club

O LX Comedy Club é formado por quatro indivíduos que me dizem muito: Rui Sinel de Cordes, Ricardo Vilão, Luís Franco-Bastos e Salvador Martinha. Desde 14 de Maio que se juntam todas as segundas em Lisboa, na Biblioteca Orlando Ribeiro, e todas as quartas no Plano B, para noites de comédia fresquinha, daquela que dá um belo quentinho no estômago, paradoxo que só não compreende quem não quer.

Video: Realização - Nuno Alberto / Grafismos - Joana Moura

Cada data tem um espaço reservado para o open mic, onde dois comediantes sobem ao palco para exibirem a sua galhofa perante o público, de preferência vestidos. E conta ainda com um ou mais convidados. Por lá passaram nomes como Leandro Morgado, Zé Beirão, João Manzarra, Diogo Beja, Jel e Luísa Barbosa, entre outros, outros esses onde estou incluído. Fui o convidado da noite de estreia, e depois disso já estive com os rapazes outras duas vezes, a última delas ontem, no Porto, que foi de arromba, e nos deu a todos, malta que actuou e público, recordações para a vida toda. Ou, pelo menos, até à manhã seguinte. Mesmo "manhã seguinte" é, se calhar, muito ambicioso, porque depois houve litros de tequilla à mistura. Seja como for, foi uma noite de arromba.
Eu ontem no Plano B. Levei guitarredo, que o guitarredo é a minha extensão fálica.
Foto: Miguel Cadilhe, aka Gamboa

Estas noitadas de comédia em Lisboa e no Porto vão continuar, em locais que serão anunciados em breve, mas as últimas noites na Orlando Ribeiro e no Plano B são já para a semana, respectivamente nos dias 25 e 27. É de assegurar um lugar na fila da frente, para que um dia, quando o LX Comedy Club chegar ao Pavilhão Atlântico e ao Estádio do Dragão, possam dizer "Eu vi-os quando eles ainda não tinham dez seguranças pessoais cada um".
Cartaz: Foto - Nuno Alberto / Design - Joana Moura

sexta-feira, junho 15, 2012

Isto é outra coisa

Estou a escrever Outra Coisa com o Luís Franco-Bastos na Antena 3, mais precisamente no The Diogo Beja Show - directos criados por nós onde o Luís e a multidão que vive nas suas cordas vocais aparecem todas as manhãs pelas 8h20, e que depois repetem pelas 15h40. Esta foi a primeira semana e podem ouvi-la online aqui. O de hoje foi acerca das medidas que a DGS se prepara para tomar e conta também com as previsões de Jorge Jesus para o Euro 2012.

quinta-feira, junho 14, 2012

Café Central que escrevi para ser exibido ontem: separação de Djaló e Luciana Abreu, Santo António, resgate financeiro a Espanha - aqui

sábado, junho 09, 2012

Espanha pediu resgate financeiro. A malta que bebe cerveja enquanto se prepara para ver o jogo, pediu-a em euros mas vai pagá-la em escudos.

Europa: enquanto o esférico rola, o continente afunda-se mais com o iminente pedido de resgate espanhol. O futebol é lindo.

sexta-feira, junho 08, 2012

Portugal aguarda com mais ansiedade o começo do Euro do que o fim do €uro.

sexta-feira, junho 01, 2012

Hoje, dia da criança, não as levem a passear ao jardim zoológico, vão antes à Morais Soares, também lá há animais e até andam com a criança ao colo.