terça-feira, novembro 30, 2010

Pessoa do dia ® #11

Faz hoje um ano que nasceu Pessoa do Dia, aqui no blog, para assinalar a data da morte do Poeta. Aproveito para dizer que este projecto não se fica aqui pelo recantos do Salvo Erro. Está a ser desenvolvido e darei novidades em breve.
Entretanto, fiquem com o poema que escolhi para hoje. 75 anos depois da morte de Fernando Pessoa:

II / SAUDADE DADA

Em horas inda louras, lindas
Clorindas e Belindas, brandas,
Brincam no tempo das berlindas,
As vindas vendo das varandas.
De onde ouvem vir a rir as vindas
Fitam a fio as frias bandas.

Mas em torno à tarde se entorna
A atordoar o ar que arde
Que a eterna tarde já não torna!
E em tom de atoarda todo o alarde
Do adornado ardor transtorna
No ar de torpor da tarda tarde.

E há nevoentos desencantos
Dos encantos dos pensamentos
Nos santos lentos dos recantos
Dos bentos cantos dos conventos...
Prantos de intentos, lentos, tantos
Que encantam os atentos ventos.


Fernando Pessoa
in Ficções do Interlúdio
publicadas na Portugal Futurista, 1.1917

Apresentação d'O Fio à Meada e o alinhamento galáctico-sideral entre Zaczarowany Ołówek e Rita Pereira


Foi assim a primeira apresentação d'O FIO À MEADA - Diálogos Imprevistos, no passado dia 27, com a presença de Nuno Costa Santos, Pedro Santo, Rita F., Miguel Neto, José Bandeira, Adriana Nogueira, Frederico Pombares e Eduardo Madeira (consta que nesta foto ainda estava preso na 2.ª circular). Nem eu nem o Manuel João Vieira pudemos estar presentes, eu por umas razões, o Manuel João por outras. Mas tudo indica que o caso vai mudar de figura na próxima apresentação, domingo que vem na Fnac do Chiado.
Aproveito para realçar uma coincidência cósmica. Que a personagem com quem entabelo converseta neste livro é Zaczarowany Ołówek, já aqui o disse. Agora, o que nunca referi foi que Rita Pereira também tem um papel de relevo neste conto.
É de uma sincronia impressionante que a apresentação do livro tenha sido nesta altura de Emmy. E decote.
Dá pele de galinha. Ai não que não dá.
E sim, a coincidência também arrepia.
(já agora, um enorme saravá ao Rui Unas por este video)

Orelhas em 3D


Remexer nos arquivos fez-me lembrar de algo que ando há algum tempo para perguntar: quem reparou que a intro do último programa d'As Orelhas de Spock foi mesmo em 3D? Experimentem ver com óculos próprios para o efeito, daqueles old school, com uma lente azul e outra vermelha. As Orelhas é bem capaz de ter sido o primeiro programa tuga de TV em 3D! Que pioneirismo, quanta fanfarronice! Posicionem-se em relação ao monitor, ajustem a distância tendo em conta o tamanho do video que seleccionarem e enjoyam. É quase como me terem, mesmo, aí em casa.
Humm.
Bem vistas as coisas, se calhar é melhor não experimentarem.

O Inferno de Látex

Um grande olari-ó para o Nuno Miguel Neto que, a propósito deste tweet, me trouxe à memória o episódio duplo d'O Horror iNominável, em que eu e o Pina dávamos conta de uma invasão de preservativos, "O Inferno de Látex." Para quem ainda não viu, ou quer rever, a primeira parte podem encontrá-la no iTunes, em formato videocast. A segunda está aqui, no YouTube. Isto nos idos de 2006 (primeira parte) e 2007 (segunda parte). A Igreja condenava o uso do preservativo. Onde é que isso já vai.

Insert coin


Scott Pilgrim vs. The World é uma celebração pop em todos os sentidos. Das músicas escolhidas (titilei quando ouvi "I Heard Ramona Sing" de Frank Black), às compostas de propósito para o filme (vénias a Beck), passando pelo contexto videogueímico, este filme, realizado por Edgar Wright (Shaun of the Dead, Hot Fuzz) - que também adaptou a história, junto com Michael Bacall - é uma travessa farta de iguarias para quem encontra um quentinho familiar na sonoridade de garagem e jogos vintage de computador, consola ou arcada. Só percebo que tenha tido tão maus resultados nos EUA por ser uma história passada no Canadá.

Não pude deixar de lacrimejar, com emoção mal-contida, ao ver concretizado de forma tão exemplar um conceito que me é tão caro, o da vida enquanto videogame, igualmente surpreendente e inverosímil, com níveis a terem de ser ultrapassados. A arte não imita a vida, leva-a aos limites. E é isso que Scott Pilgrim faz, com uma sensibilidade estética exemplar. Uma apenas aparente ingenuidade, servida com requinte por Michael Cera, à mistura com laivos de profundo FTW, em busca de um objectivo que quase se poderia supôr justificativo das baixas civis - vulgo, corações partidos - que vão ficando pelo caminho. Baixas que, afinal, nem são definitivas: há sempre mais uma moeda para inserir na ranhura, deixar o passado onde ele pertence, que é lá atrás, onde quer que isso seja, e tentar outra vez. "We all have baggage."

Ora, película que induz considerandos deste calibre bem poderia quedar-se na prateleira "filme sensível", e acabar na lista de sugestões que as namoradas fazem quando é a vez de elas sugerirem o que se há de ir ver ao cinema. Mas não esquecer que Scott tem porrada de criar bicho, por vezes tão fiel ao ambiente de um videojogo que damos por nós a tactear em volta para pegar no joypad e tomar parte activa em tudo aquilo.

Não deixem de ver estas promos - são, por si só, uma grande situação

Se no ecrã se exercita músculo, cá fora o cerebelo regala-se: diálogos rápidos e inteligentes, estrutura dinâmica e bem construída, com os efeitos de fazer água na boca a tornarem-se parte integrante da narrativa. Um deleite a toda a prova, a fazer de Scott Pilgrim um daqueles filmes que, sem dúvida, não se devem guardar para os torrents ou, numa versão mais legal, para o visionamento em DVD ou Blu-Ray. Merece ser visto e revisto numa sala de cinema: nenhuma tela, por maior que seja, consegue abarcar a grandiosidade desta película, quanto mais um ecrã de TV. Do que conheço dos comics de Brian Lee O'Malley (não sou profundo conhecedor, embora ver o filme me tenha dado ânsias de devoranço gourmet dos vários volumes), esta adaptação pareceu-me bastante fiel, provando a transversalidade mediática desta história épica e pixelizada de ♥.

Quem se deve estar a rir é o J. Jonah Jameson


Diz que a estreia do musical do Homem-Aranha na Broadway foi um flop dos grandes.

segunda-feira, novembro 29, 2010

Stay away from the light


As luzes natalícias do Chiado parecem piaçabas e as que estão nas árvores da Baixa dir-se-iam envoltas em papel higiénico. Está dado o mote para o Natal deste ano.

Mete mais alto #114


Vincent Prince interpreta "Monster Mash", tema original de Bobby "Boris" Pickett e Leonard Capizzi.

"Bingo!"

R.I.P. Leslie Nielsen


Link

"I am your father."

R.I.P. Irvin Kershner


Link

A galinha da vizinha


SOPHIA LOREN & JAYNE MANSFIELD

Ditado popular

Paróquia de onde desaparece do Presépio o Menino, é sinal que o padre gosta de tocar o sino.

domingo, novembro 28, 2010

Só para dizer que

o meu fim-de-semana, logo a partir de 6.a feira, foi passado na Culturgest, em workshop com o Gonçalo Waddington e 36 representantes de escolas de teatro de todo o país. Discussão dramatúrgica, propostas de diferentes encenações da minha peça "Dentro de mim, fora daqui" para o PANOS do proximo ano. Trabalhoso e estimulante. Novidades em breve.

sexta-feira, novembro 26, 2010

O Fio à Meada

A expressão "lançamento do livro" está a cair em desuso, muito por culpa da insistência no comentário "isso do lançamento quer dizer que se vai atirar o livro pelos ares?". Em seu lugar, ganha corpo a menos dúbia "apresentação do livro". Posto isto, realiza-se amanhã, sábado, dia 27, às 17h00 na Fnac do Vasco da Gama, a apresentação d'O Fio À Meada - Diálogos Imprevistos, livro que conta também com um conto de minha autoria. Na apresentação podem contar com a presença de alguns dos autores, nomedamente o José Bandeira, o meu broda Eduardo Madeira, o Pedro Santo, a Adriana Nogueira, o Miguel Neto e a Rita F. Talvez que apareçam os demais - Frederico Pombares, Helena Araújo, Manuel João Vieira e o Nuno Costa Santos - mas não é certo. Certo é o facto de eu, com muita pena minha não poder estar presente. Mais uma razão para não perderem este lançamento. Perdão - esta apresentação. As razões para a minha ausência seguem no post seguinte; mas, enquanto eu o escrevo, tomem nota na vossa agenda do dia, horas e local onde podem deitar unhas, em primeiríssima mão, a exemplares d'O Fio à Meada. Adquiram agora que depois mais perto do Natal é mais caro. Estou a brincar. Na parte do ser mais caro. A do "adquiram" é para levar a sério.

Dano causado em nome da arte


A peça que esteve até ontem em cena no Grande Auditório da Culturgest é - pode ler-se na folha de sala e na descrição online - sobre o dano causado em nome da arte. Dano causado ao público, aos actores, ao autor. Escrever e representar são exposições daquilo que se passa fora das seguras e confortáveis paredes do teatro, e os primeiros expostos são autor e actores. A experiência colectiva que é fazer parte de uma peça, seja do lado de quem expõe, seja de quem assiste à exposição - e tem hipótese, se assim escolher, de intervir nela - transforma todos os intervenientes. É o que acontece em The Author (o Autor), peça com outra dentro, acerca das realidades tão horríveis que continuam a sê-lo mesmo para quem só tem contacto com elas em segunda ou terceira mão. À mistura com música e chocolates. O autor, de qualquer uma das duas peças - a peça em si e a peça da qual trata - é Tim Crouch, também um dos actores nesta produção do Royal Court Theatre. Para quem não pôde estar estar presente, e até uma outra oportunidade, resta-me dizer que o texto da peça está editado, traduzido pelo Francisco Frazão.


Ilustração: © Julia Collins

Foi o Contra Informação, boa noite.

O Contra Informação chegou ao fim, depois de 14 anos no ar. Tive durante quase uma década (desde 2001) o prazer de escrevê-lo junto com os meus colegas e amigos Rui Cardoso Martins e José de Pina, fundadores de um programa do qual muita gente, logo no início, decretou o fim. Alguns disseram-no por falta de fé, outros em jeito de wishful thinking. Diariamente, inspirámo-nos na fértil actualidade nacional e internacional, criámos um património de recorrências e bordões, repescados das palavras proferidas pelos protagonistas em que nos baseávamos, como o "Quem se mete com o PS, leva!" (Jorge Coelho, aliás, Jorge Coelhone), "Quantos são, quantos são? Eu não tenho medo de ninguém!" (Major Valentim Loureiro, aliás, Major Valentão), ou o "Penso eu de que" (Pinto da Costa, aliás, Bimbo da Costa). Após termos posto um cardeal do Vaticano a brincar com um preservativo cheio de água, de termos posto recentemente o primeiro-ministro português a implantar na cara o tumor que o Homem do Rossio removeu - para melhorar a sua imagem -, e Sarkozy e um grupo de ciganos, durante a cimeira da NATO, a tapar o nariz com uma mola de roupa por causa do pivete sempre que o primeiro-ministro se aproxima, é fácil de ver que foi atingido um qualquer zénite. 14 anos no ar - nada mau para um programa condenado desde o primeiro dia. Uma palavra de agradecimento aos muitos actores da equipa de vozes (olá, João Canto e Castro, olá, Bruno Ferreira, olá, Pimpão, olá, Mila Belo), aos vários realizadores (olá, Miguel Soares, olá, Rodil) e bonecreiros (olá, Jel) que passaram pela Mandala (olá, Mafalda), a todos os caracterizadores (olá, Nuno Elias), músicos (olá, Gimba, olá, Rámon) e equipas técnicas que trabalharam no programa e ajudaram a dar vida aos nossos textos. Um saravá também às PF (olá, Nuno), às várias direcções da RTP, e um abraço ao Eduardo Madeira e ao João Quadros que, nos anos anteriores à minha entrada na equipa, estiveram ao lado do Rui e do Pina na escrita dos textos. E por último, uma vénia especial a todos aqueles que nos acompanharam ao longo dos anos, aos que procuraram por nós na grelha de programação, às vezes ao meio-dia de domingo, outras vezes nas noites de quinta - horário onde nos últimos tempos acabou por se estabilizar. Da minha parte, foi um prazer e um orgulho dividir o leme com o Rui e o Pina ao longo destes anos todos, num programa como o Contra, que nos permitiu parodiar todos os formatos e situações possíveis e imaginárias, umas vezes mais que outras. No espectro político e social, a realidade continuará sempre a superar tudo o que se possa imaginar. Os bonecos, os verdadeiros, de carne e osso, continuam aí. E cá estaremos para dar conta disso. Porque, para usar as palavras do Manuel Alegre, aliás, Manuel Triste, a nós ninguém nos cala.

quinta-feira, novembro 25, 2010

Happy Thanksgiving to all my american friends


(fake trailer de Eli Roth para Grindhouse, de 2004 que, entretanto, está a dar mesmo origem a um filme)

Patilha envy


HENRIK IBSEN

Mete mais alto #113


PJ Harvey
"Man-Size"
Rid of Me
1993

Video realizado por Maria Mochnacz

Mete mais alto #112


The Beatles
"Revolution"
Lado B do single "Hey Jude/Revolution"
1968

Boom!

Em Telavive rebentam bombistas palestinianos, mas ontem foi o Hapoel que rebentou com o Benfica.

Sarkozy visto em Beja

Foi comprar sapos para afastar os ciganos de França.

Toda a protecção é pouca

Pulseiras electrónicas na ordem do dia como medida para proteger vítimas dos agressores. Há que aplicar uma ao fisco para os contribuintes serem avisados.

quarta-feira, novembro 24, 2010

Macacada a 1€

Hoje às 21h30 no Nimas, em Lisboa, Macacos do Chinês ao vivo. Diz-me o Al:x que vão apresentar já alguns temas do novo álbum que estão a preparar. A entrada é a 1€, um escândalo. Apareçam que vai ser alta macacada!

(o video acima dedico-o a Plutão, que poderá voltar a ser planeta)

terça-feira, novembro 23, 2010

Mete mais alto #111


Ainda no capítulo videos perturbantes, checkem o novo de Hans Lo e Jose Otero para os Simian Mobile Disco. Se estiverem a fazer dieta, vejam-no um pouco antes da janta, é certo que já não comem. Se forem vegetarianos, vejam e filmem as vossas reacções que é para eu depois me rir.

Era escusado tanto espalhafato.

Sarkozy podia ter evitado tanta crítica acerca da expulsão de ciganos. Tinha coberto a Torre Eiffel de sapos e estava a coisa feita.

Mete mais alto #110


Novíssimo e brilhante video de Saam Farahmand para "Twin Flames" dos Klaxons.

Info aqui

Não estou habituado a pagar tanto aos irlandeses sem ser em troca de whisky.

113€ por português para salvar a Irlanda da falência.

segunda-feira, novembro 22, 2010

Mete (MUITO) mais alto #109

Um repost só para desanuviar da cena dali de baixo.

Nunca me enganaram.

Bruno Nogueira, Nuno Lopes e Eduardo Madeira. Muito bom. Mas não NESSE sentido.
(agora vou ter de lavar as mãos com pedra-pomes depois de os cumprimentar)

Mete mais alto #108

The Prodigy - "Baby's Got a Temper" - 2002

Video realizado por Traktor.

O Fio à Meada


Diz que já está nos chamados escaparates. Inclui um conto meu. Apesar disso, é de adquirir.

Mais info aqui

Mete mais alto #107


The Prodigy
"Everybody in the Place (155 and Rising)"
Experience
1992

Wish list

Anseio pelo dia em que alguns críticos de cinema parem de contar o filme todo de cada vez que escrevem uma crítica.

(mas enfim, é bem feita - quem me manda ler críticas de cinema desses indivíduos?)

Despachem-se que costuma esgotar


Se ainda não foram, estão a perder três belíssimos momentos de stand-up comedy. Se já foram, é de ir outra vez, que todas as semanas eles apresentam material novo.

domingo, novembro 21, 2010

O que eu gostava de saber é

como é que foi a nível de movimentação de prostitutas enquanto cá esteve o Berlusconi.

O Papa já não condena o uso do preservativo.

Cá para mim, foi pressão dos padres envolvidos em pedofilia.

Balanço

A Cimeira da NATO foi marcada pela palavra "crise". Que saudades de quando as cimeiras eram marcadas pela palavra "terrorismo".

Mete mais alto #106


Sleigh Bells
"Riot Rhythm"
Treats
2010

Video realizado por Bo Mirosseni

sexta-feira, novembro 19, 2010

Virilidade verbal

"They use force to make you do what the deciders have decided you must do."

RAGE AGAINST THE MACHINE

quinta-feira, novembro 18, 2010

Uma necessidade urgente de virilidade verbal


Li uma teoria do mais espatafúrdio. Que isto de colocar imagens de BD e cartoons no perfil do FB era moda iniciada e divulgada por pedófilos. Que só a estes servia a manobra. Porque "nenhuma criança seria capaz de rejeitar um pedido de amizade da Pequena Sereia". Tss. Tamanho absurdo só serviu para criar mais uma cortina de fumo acerca dos verdadeiros motivos. É fácil de adivinhar que é a NATO que está por trás disto. A propósito da cimeira, não nos vão cortar "só" estradas e ruas. Não foi só o concerto de Arcade Fire que foi apagado do mapa. A NATO começou também a dominar os nossos perfis, espaço que poderia ser de protesto contra a cimeira e que passou a ser viralmente ocupado por Dartacões, Heidis e Marcos. Mesmo esta vitória da selecção de Portugal frente à Espanha, a dita "humilhação", faz parte da manobra de diversão. Tudo combinado. Tivesse a cimeira lugar em Espanha e iam ver a cabazada que tinhamos levado. Esta goleada foi uma anestesia, um garante de sorriso de orelha a orelha durante os dias de circulação limitada que se avizinham. Barriguinha cheia com golos, bonecada a rodos no FB, e a cimeira lá conspira à larga e sem ruído. Não vão em cantigas e coloquem esta imagem nos vossos perfis. E se ainda não sabem o que é isto de virilidade verbal, checkem este link. Não hesitem, porque é tal e qual assim como eu vos estou a dizer. Salvo erro.

Slam on!


Uma vénia de agradecimento a todos os que encheram o MusicBox Lisboa na passada 3.a feira para a Poetry Slam Night III. Que num dia da semana alcançássemos tal nível de adesão só prova que não é à toa que o meu gosto em apresentar o evento e assistir aos slams dos concorrentes cresce de mês para mês, em proporção directa ao entusiasmo e participação do público e ao talento dos slammers. Voltamos a encontrar-nos para o mês que vem.

terça-feira, novembro 16, 2010

Mete mais alto #105


Midnight Juggernauts
"Lara vs the Savage Pack"
The Crystal Axis
2010

Co-Directed by Beatrice Pegard and Lucinda Schreiber
Director of Photography: Tania Lambert
Produced by Jaan Ranniko and Sonia Tsai
Editor: Jaan Ranniko
Compositor: Simon von Wolkenstein
Art Department: Kate Dougherty, Virginia Mesiti, Stephanie Anderson, Dave Ladd, Cindy Rodriguez, Jim Carlton, Beth Dillon, Alison See, Celia Curtis and Angelika Nilsson
Wardrobe: Kevina Jo-Smith, Angelika Nilsson and Marnie Galvin

Tenham muito medo.


Actividade Paranormal 2 é um bocejo. Já Austeridade Paranormal é das coisas mais assustadoras que já se fizeram. Checkem aqui, aos 3m05s.

A austeridade é uma ideia perigosa


Mark Blyth

É a tua vez


Obrigado ao Salvador Martinha, ao Alexandre Romão e ao Nuno Alberto por alertarem as massas para este flagelo.

Alex & Salvador

É hoje


Mais info aqui

sexta-feira, novembro 12, 2010

FMI, NATO, Interpol... de todos estes organismos internacionais, só aprecio os últimos.

Vou agora vê-los ao Campo Pequeno.

Fantástico

A 5.ª edição do Fórum Fantástico arrancou hoje com um programa de peso. Dos lançamentos de A Simbólica do Espaço em O Senhor dos Anéis, de Maria do Rosário Monteiro, e A Luz Miserável, de David Soares, à presença de Luís Filipe Silva, António de Macedo, João Barreiros, João Seixas, Bruno Martins Soares, Bruno Matos, Vitor Lajes, Bruno Kripphal, Tiago Lobo Pimentel, Madalena Santos, Inês Botelho, Susana Almeida, Safaa Dib, Ricardo Pinto, David Soares, Octávio dos Santos, João Pedro Duarte, Afonso Cruz, Ricardo Pinto, João Morales, entre outros, o FF tem razões mais do que suficientes para justificar o teleporte até à Biblioteca Municipal de Telheiras. Convidados internacionais do calibre de um Stephen Hunt e de um Peter V. Brett compõem o ramalhete. Sábado e domingo vão ser exibidas curtas-metragens de Francisco Campos, Henrique Bagulho, Francisco Carvalho, Vasco Sequeira, Ana Almeida, Ricardo Quaresma, Maria Freire e Bruno Canas. A sessão de domingo vai ser apresentada por mim e pelo Nuno Duarte, em revival Spóckico, e depois vamos moderar um painel sobre o cinema fantástico português, onde contamos com o Filipe Melo, o Paulo Prazeres e o Paulo Leite. Consultem o programa aqui. E apareçam.

quarta-feira, novembro 10, 2010

Mete mais alto #104

Bernie Dexter, ao som de "Restless" de Johhny Kidd & The Pirates

Leap of Faith - teaser


Olhem o teaser da curta-metragem que realizei em NY: Leap of Faith, com Frank Perilli e Manny Rey. Estas não são as cores da versão final, nem o som está ainda tratado, mas estou com vontade de colocar já o teaser online. Cliquem na imagem para ver / Teaser trailer of the short-film "Leap of Faith", starring Frank Perilli and Manny Rey, written, directed and edited by me. That's not the final coloring nor the sound is yet mixed - guess I'm just eager to post this online although the work is still in progress. Click the image to watch

segunda-feira, novembro 08, 2010

Mete mais alto #103

Tricky
"Evolution Revolution Love"
Blowback
2001

(I miss Tricky live)

5-0


Não desesperem: o que se passa é que vem aí o Natal e o Jesus já começou a distribuir presentes.

sexta-feira, novembro 05, 2010

Mete mais alto #102


Beastie Boys
"Sabotage"
Ill Communication
1994

Video realizado por Spike Jonze

quinta-feira, novembro 04, 2010

Mete mais alto #101


La Sera, Never Come Around, video fofo e visceral de Brady Hall (tem um gostinho de Wet)

quarta-feira, novembro 03, 2010

Zaczarowany Ołówek

Conversei com este jovem. Zaczarowany Ołówek, a.k.a. O Lápis Mágico, é o protagonista de uma série polaca de desenhos animados com o mesmo nome. A série foi divulgada em Portugal pelo Mestre Vasco Granja nos anos 80. Hoje em dia o puto está mais crescido mas continua a dar uso ao lápis. Encontrei-o há tempos.

Brevemente

terça-feira, novembro 02, 2010

Mete mais alto #100


Encontrei isto agora aqui nos entrefegos do meu computadorzélio e dei em uploadá-li-o. Gravado algures no Verão passado, pouco antes do nosso concerto no Auditório dos Oceanos do Casino Lisboa. Ou então foi em '72, no Cambodja, não tenho a certeza.

Não tenho um plano mas vou segui-lo à risca.