terça-feira, janeiro 27, 2015

As piadas com gás estão para Auschwitz como o Música no Coração está para o Natal. #ViraODiscoETocaOMesmo

70 anos do fecho de Auschwitz e as piadas com gás ainda não passaram de moda. #JáSeFaziaUmRefreshzinho

A vitória do Syriza contada às crianças por Passos Coelho (com um dedinho de Rodrigues dos Santos).

domingo, janeiro 25, 2015

Não, gente - Syriza não é a madrasta má da Violetta.

Excursão solidária hoje ao Estabelecimento Prisional de Évora ficou aquém. Resta o sonho de um piquenicão socrático. Outra Coisa de 19 de Janeiro.

quinta-feira, janeiro 22, 2015

O Arquitecto Saraiva manda dizer que a festa começa às 22h e para levarem frangos sem picante para não ficarem assados. #chumbodadopçãoporcasaisdomesmosexo

É esta a maioria parlamentar que temos. Preferia que lá estivessem sentados pacotes de peta-zetas.

Os Três Porquinhos, mas sem os Porquinhos.

Aqui.

sexta-feira, janeiro 16, 2015

quarta-feira, janeiro 14, 2015

Paris/Atentado: Governo israelita pede 42 mil euros pelo funeral de quatro vítimas

O ridículo é o adubo das piadas. Se há ridículo em temas sensíveis, as piadas surgem à mesma. É a 245.ª Lei de Lavoisier.

"É que no final das contas o fundamentalismo e os grupos de ultra-direita xenófobos se alimentam. Foram feitos um para o outro. Haja entendimento real ou não, na prática a porra louquice atende ao clamor da porra louquice.
Mas não sei isso é coisa de malucos. Pode ser um jogo muito mais frio do que a gente pensa, e é isso que me aterroriza – ver que não é maluquice. Esse jogo frio pode envolver dinheiro, poder político e controle militar."
                           - Laerte

Entrevista completa aqui.

“I am not saying people should not be free to join whichever reason they choose but should we be forced to live our lives around a belief system that originated somewhere around the fourth or fifth century BC. I cannot see any more reason to base a belief system around Christianity, Judaism or Islam than I can around Lord of the Rings.”
                                                                                  - Alan Moore

Entrevista completa aqui.

terça-feira, janeiro 13, 2015

segunda-feira, janeiro 12, 2015

O Passos ontem passou o dia em stress: se alguém ali começasse a cantar o Grândola, a Assunção destava a expulsar aquela gente toda.

A Merkel hoje já voltou a usar da sua liberdade de expressão para ameaçar os gregos?

Já percebi a verdadeira razão pela qual chamam ao assassinato da malta do Charlie Hebdo o 11 de Setembro europeu. É por causa das pontas soltas na história.

O Gustavo Santos queixa-se de que lhe ameaçaram o cão, mas o que me deixa consternado é que alguém como o Gustavo Santos possa sequer ter um - com tantos gestos ainda lhe vaza um olho.

domingo, janeiro 11, 2015

Depois da marcha pela liberdade de expressão, a Europa vai rever a livre circulação. Lá se vai a conversa sobre liberdade e não ter medo e o caralho.

World leaders hypocrites at #CharlieHebdo rally #NotInMyName

Logo esta semana tivemos de deixar as Outra Coisa gravadas de quarta a segunda (amanhã) porque o Luís Franco-Bastos está em Paris. Terça falaremos de toda esta vergonha à volta do #CharlieHebdo.

Hoje houve outro atentado em Paris: ter estes líderes mundiais a encabeçar a marcha por Charlie Hebdo.

Imagem exclusiva de líderes mundiais na marcha de solidariedade para com Charlie Hebdo.

Rússia aprova lei que considera travestis e transexuais como sendo portadores de distúrbios mentais, estando por isso proibidos de conduzir. Já a ditadorzecos doentios, continua a ser permitido governar.

É de ler.

Porque é que também não somos todos nigerianos? É menos cool? ‪#‎MetamAVossaSolidariedadeNaRegueifa‬

sexta-feira, janeiro 09, 2015

Here's How Arab Papers Reacted to the 'Charlie Hebdo' Massacre

Sou do tempo em que a expressão "como é do conhecimento geral" fazia sentido. Hoje em dia, já nada é do conhecimento geral, seja porque governos ou banca não querem que seja e os media alinham, seja porque as mentalidades de muitos - e cada vez mais - estão afogadas na ignorância e consequentes medo e preconceito. Uma Idade Média com likes. Agora vou selar a mula para dar um salto até à estalagem.

É abaixo as hipocrisias, porque abaixo as hipocrisias é que é bueda Charlie, não é? Então 'bora lá.
O aproveitamento não é só político: estou farto de ver alguns humoristas a porem-se em bicos dos pés com esta tragédia do Charlie Hebdo. De repente, toda a gente faz sátira política ou religiosa, mesmo quando todo o material que têm é sobre a complexidade de abrir um pacote de manteiga (digo isto como podia dizer outra mundanice qualquer). Nada contra, percebo a complexidade de barrar manteiga dura em pão que se esfarela, também sinto saudades dos pacotes de Tartex, e cada um fala do que lhe apetece.
Mas Tartex é uma coisa, Maomé é outra. Tartex não é Charlie.
Nunca nenhum amante de pacotes de manteiga e/ou paté de sardinha abriu fogo contra nenhum humorista por causa de uma piada sobre manteiga sem sal. E não me venham com a conversa do: "ah, mas isto tem a ver com a liberdade de expressão e tal"; eu sei perfeitamente disso. E é exactamente por isso que a malta do Charlie Hebdo era, e é, tão importante: porque faz piadas com assuntos sagrados para fanáticos tacanhos e perigosos, com matérias perigosas. Que não deviam ser perigosas, mas são, e por isso é tão importante que não se páre de fazer piadas com elas. Liberdade de expressão é isso: mostrar que não se deve ter medo daqueles que o querem incutir, que querem calar a sátira a certos temas.
E não me digam também: "olha, mas um humorista pode solidarizar-se, mesmo que fale só em pacotes de manteiga de alho, ou não?" Pode e deve, não é disso que se trata. Falo de quem se tenta pôr ao mesmo nível, ser levado na onda de atenção que os tristes acontecimentos de dia 7 de Janeiro trouxeram ao humor (é doentio a esse ponto), em despudoradas comparações que têm tão pouco de subtil que até dá dó.
Humor é pisar o risco, e é para isso que os pés dos humoristas, penso eu, devem servir, não para se porem em bicos, a dizer "eu sou tão corajoso por fazer piadas com margarina vegetal". Que também, diga-se, requer uma certa coragem, porque a margarina vegetal não sabe a nada.


Isto.

Kosher é Charlie?

O único sítio onde há um aproveitamento político deste ataque inaceitável ao Charlie Hebdo maior do que em Portugal, é na própria França.

‪#‎IstoÉCharlie‬

Um milhão de Charlie Hebdo vão estar nas bancas na próxima quarta-feira

"Num país onde não há na único programa de humor nas televisões generalistas sobre política, agora somos todos Charlie."
É isto tudo, Bruno Nogueira e João Quadros.

#SócratesÉCharlie

A Le Pen é tão burra que quer a pena de morte aplicada a malta que, se for preciso, se faz explodir.

quinta-feira, janeiro 08, 2015

Sou Bué Charlie

Ontem e hoje li muita coisa acertada, li ainda mais coisas imbecis, e vi muita gente com a patareca aos saltos. Olhem que a histeria tolda a razão e acaba-se a dizer e a fazer merda. Ser Charlie Hebdo também é pensar. E nunca ceder ao medo. Tudo o resto é folclore.
#SouBuéCharlie

quarta-feira, janeiro 07, 2015

Je suis Charlie

#JeSuisCharlie #CharlieHebdo

terça-feira, janeiro 06, 2015

Crise no Barcelona: o Messi anda a pôr-se em bicos dos pés.

Santana está preparado, nós é que não (embora, depois de Cavaco, se possa dizer que estamos preparados para tudo).

segunda-feira, janeiro 05, 2015

O Luís Rodrigues leu a minha dica no post anterior e agraciou-nos a todos com isto. Grande Luís.

Se tivesse tempo, fazia este cartoon: uma mula com chapéu à Zé Povinho e pálas nos olhos em forma do rosto de José Sócrates. Ao redor, fora do alcance de visão da mula, submarinos aos molhos.

A Maria pode ser Capaz, eu é que não. Ler o texto do "Fodamos" é anti-túsico.

Hoje li a expressão "sorriso sorridente". Fechei os olhos à espera que o mundo acabasse, mas foi misericórdia que não teve lugar.

Lê-se o FB e RIP vírgulas.

Mensagem de Ano Novo

Para lá do horizonte é que está o fim do arco-íris onde o céu encontra o limite que nunca teve.

O futuro é a medida da vontade que encontras dentro de ti no passado que faz de ti o que és hoje e serás amanhã num futuro que se torna passado a cada instante deste presente que já é passado quando olhas para ele com olhos de amanhã.

Para que os nossos sonhos levantem voo só é preciso acreditar. Eu acredito. Tu acreditas? Tens de acreditar. Mas não basta acreditar. Tens de acreditar muito. Até te doer a cabeça e já nem conseguires sequer preparar um segundo gin.

Consegues acreditar muito? Queres acreditar muito comigo? O caminho pode ser tortuoso, mas isso só faz com que o objectivo final seja fruto de um caminho que, sendo tortuoso, tem um objectivo que, apesar de final, não seria o mesmo caso o caminho fosse outro que não este que é tortuoso. Mesmo tendo um objectivo diferente que poderia ser igual se acreditasses que o caminho era outro que não o primeiro. E afinal era o mesmo, ainda que diferente no fruto que é a tua vontade de seres tu próprio em ti mesmo nesse lugar que é o teu interior.

Estás verdadeiramente preparado para ter aquilo que pensas que estás preparado para ter mas que talvez só consigas vir a ter se acreditares que estás preparado?

Estás preparado para acreditar em ti próprio, na medida em que só se acreditares em ti próprio é que vais conseguir acreditar em tudo o que faz de ti uma pessoa que acredita ser um indivíduo? Um indivíduo individual em si próprio enquanto individualidade?

Acredita. Muito. Sempre. Mesmo quando os outros não acreditam que tu és capaz sequer de acreditar, quanto mais de fazer aquilo que são, afinal, os sonhos que sabes ser capaz de acreditar que tens com a força própria daqueles que sonham alto e que acreditam que podem sonhar ainda mais alto no que respeita a acreditar muito e sempre.

E nessas alturas, agradece à tua vontade, porque quiseste. Quiseste o suficiente? Não, quiseste muito. Fizeste muita força a querer, um esforço enorme, nesse dia nem saíste à noite. Noite inteira sem dormir e uma instagramada do nascer do sol visto no monitor da tua última maçã.

Porque tudo depende de ti, és o teu próprio David Copperfield, se quiseres muito vais ver que consegues fazes desaparecer dificuldades com o mesmo à-vontade com que conjuras refeições vegans e sofisticados gins polvilhados de ervas exóticas.

Eu quero muito. Tu queres muito? Tens de querer muito. Se quiseres muito, somos muitos a querer muito, fazendo por cada um de nós o muito que muitos não fariam por nós sem que nós próprios o fizéssemos por cada um dos muitos que são parte de cada um de nós.

Os limites do céu são aqueles que impões a ti próprio na medida em que o horizonte de hoje é o arco-íris de amanhã.

E o amanhã é hoje. Por isso, tira daqui as tuas conclusões.

Feliz Vida Nova.

P.S.: Há malta que vive disto.

sexta-feira, janeiro 02, 2015